quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Você conhece: O teste da linguinha?

Você sabia que alguns problemas na fala podem ser solucionados após o nascimento? 


- Não?

Então, existe um exame, chamado Teste da linguinha. E se realizado logo após o nascimento e detectado, um pequeno corte é feito na membrana que conecta a língua ao assoalho da boca. Se não realizado, quando criança, poderá ter um atraso no desenvolvimento da fala. O exame é bem simples e pode ser realizado por qualquer profissional da saúde. Veja esse artigo na íntegra, publicado pela Clic Folha.

Teste da linguinha ainda não é unanimidade entre profissionais


Um projeto de lei que torna obrigatório um exame para detectar a alteração na membrana que conecta a língua ao assoalho da boca em recém-nascidos tem gerado polêmica entre fonoaudiólogos e pediatras. A exigência do chamado teste da linguinha foi aprovada na Câmara e agora será analisada no Senado.


A presidente da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia e uma das criadoras do teste, Irene Marchesan, afirma que o procedimento é muito simples, pode ser feito por qualquer profissional de saúde e não precisa de treinamento prévio.



“É apenas um formulário com desenhos bem explicativos que o profissional deve preencher. É muito prático e torna fácil de identificar o problema nas crianças e não gera custos aos SUS”, diz.



A fonaudióloga explica que a entidade decidiu apoiar a exigência do teste diante do grande número de pacientes que chegam aos consultórios com problemas de fala por falta de diagnóstico quando eram bebês.



“O exame não é rotina entre os médicos e o problema passa despercebido. Só depois, quando a fala da criança já está prejudicada, é que o diagnóstico é feito por um fonoaudiólogo”, afirma a médica.



Outra vantagem na realização do exame, segundo Irene, é evitar dificuldades na amamentação. A língua presa causa problemas para sugar e engolir, o que, muitas vezes, leva ao desmame precoce e desnecessário.



Quando o problema da língua é identificado, um pequeno corte da membrana que conecta a língua ao assoalho da boca deve ser realizado.


O projeto de lei proposto não prevê a realização do procedimento, mas ele já é oferecido pelo SUS. Caso o corte não seja feito até os dois anos, a fala da criança ficará prejudicada. 



domingo, 23 de fevereiro de 2014

Software Educativo Infantil

Oi pessoal,

Boa noite!


Navegando pela net, encontrei uma página muito interessante! Um site com softwares educativos que pode ser utilizado pelos professores, tornar a aula mais dinâmica e interessante; pelos pais e também pelos profissionais terapeutas. Já dei uma navegada pelo site e vou aproveitar para utilizá-lo em alguns atendimentos. Espero que goste da dica, e pelo que vi não precisamos instalar o software na máquina, basta copiar o arquivo para uma pasta, descompactá-lo e executá-lo. 

Beijinhos,



segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Limite do castigo: 'Se há intenção de machucar, vira maus-tratos'

Ana Beatriz Barbosa analisa métodos na hora de educar filhos e diz que muitos castigos passam dos limites e podem ser considerados até tortura.


Castigos são vistos como a melhor alternativa na hora de educar os filhos. Mas, alguns casos de excesso despertaram a discussão sobre os limites na correção. No café da manhã do Mais Você, Ana Maria conversou com a psiquiatra Ana Beatriz Barbosa sobre a necessidade do castigo na educação dos filhos. Para a especialista, a cultura do "não" é uma escolha errada. "O cérebro não registra o 'não', é melhor um trabalho de disciplina em parceria com a escola", explicou, alertando ainda que o castigo pode ser eficiente dependendo do método aplicado.  
A apresentadora exibiu reportagens de crianças que passaram por situações de castigos muito rigorosos. Como por exemplo, o caso de um menino de sete anos que teve as mãos queimadas e o rosto machucado pela mãe, no  Amapá, por causa de uma moedinha de um real. Ana Beatriz Barbosa alerta para a diferença entre educar e maltratar. "Quando há intenção de machucar, vira maus-tratos, ou até tortura, como nesse caso que foi exibido. Para mim é tortura porque a criança é incapaz de sair dessa situação", explica a especialista.
Ana Beatriz Barbosa responde dúvidas sobre o castigo
A professora Cristiane Flores tinha dúvidas sobre a duração do castigo, e a psiquiatra alertou que o tempo é o que menos importa. "A questão do castigo não é o tempo, mas você estabelecer o castigo e cumprir. Os pais não podem voltar atrás! O melhor prazo é de 72 horas", explicou a especialista. Laura Caie, farmacêutica, perguntou à Ana Beatriz o que os pais devem fazer quando o castigo não é suficiente. "Não existe o castigo não resolver, existe não ser o castigo certo. Se você conhece a criança e vai poder tirar aquilo que vai fazer falta", aconselha a psiquiatra.
Todos os familiares podem castigar? A especialista respondeu a pergunta da estudante Lara Alves: "Qualquer pessoa que esteja ligada à educação da criança, pode, sim, ter medidas educativas. O ideal é fazer uma manual para a família toda educar", sugere Ana Beatriz Barbosa.

Fonte:http://gshow.globo.com/programas/mais-voce/O-programa/noticia/2014/02/limite-do-castigo-se-ha-intencao-de-machucar-e-maus-tratos-diz-psiquiatra.html

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Organizando os dias e horários da sconsultas

Oi Pessoal,

Resolvi compartilhar com vocês uma ideia que tive para organizar melhor os dias e horários das consultas dos meus aprendentes. Fiz um cartão de marcação de consultas! Lembrei de quando frequentava um determinado profissional e ele usava um desses. Era super útil, pois toda vez que tinha dúvida do dia e hora da minha consulta, olhava o cartão! Rs...Não precisando ligar para o consultório e ocupar o tempo dele ou da sua secretária!
Espero que vocês gostem dessa dica.




quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

REGULAMENTAÇÃO DA PSICOPEDAGOGIA - OFICIAL

Senado aprova regulamentação da profissão de psicopedagogo

A CAS (Comissão de Assuntos Sociais do Senado) aprovou nesta quarta-feira (5/2) projeto de lei da Câmara dos Deputados (PLC 31/2010) que regulamenta a atividade de Psicopedagogia. De acordo com o texto, a profissão poderá ser exercida por graduados e também por portadores de diploma superior em Psicologia, Pedagogia ou Licenciatura que tenham concluído curso de especialização em Psicopedagogia, com duração mínima de 600 horas e 80% da carga horária dedicada a essa área.
Uma emenda assegurou ainda a inclusão dos fonoaudiólogos na lista de profissionais aptos a exercer a profissão, após a especialização exigida. Essa alteração foi feita durante o exame da proposta na CE (Comissão de Educação, Cultura e Esporte), em outubro passado. O relator na CAS, senador Cyro Miranda (PSDB-GO), sugeriu a manutenção do texto como veio da comissão anterior.
A proposta recebeu decisão terminativa, o que dispensa análise em Plenário, a menos que haja recurso com esse objetivo. Agora terá que retornar à Câmara, para exame das modificações feitas pelo Senado. Houve ainda ajustes no texto para evitar conflitos de competência da nova atividade com outras profissões já regulamentadas.
Apresentado à Câmara pela deputada Raquel Teixeira, o projeto também autoriza o exercício aos portadores de diploma de curso superior que já venham exercendo, ou tenham exercido, comprovadamente, suas atividades profissionais em entidade pública ou privada até a data de publicação da lei.
Cyro Miranda festejou a aprovação, lembrando que a matéria já tramita há 11 anos desde sua apresentação. Na análise, ele salientou que o projeto não pretende impor reserva de mercado, pois estende a atividade a graduações em áreas afins e aos profissionais de educação e de outras áreas, após formação complementar em Psicopedagogia.
Segundo a Associação Brasileira de Psicopedagogia, existem cerca de 100 mil psicopedagogos formados no Brasil. São profissionais que não atuam somente nas escolas, mas em diferentes instituições. Para o relator, com a regulamentação da atividade, cria-se uma identidade e exige-se dos profissionais a ética e a formação necessárias para que possam desempenhar com competência seu ofício.
Fonte:http://ultimainstancia.uol.com.br/conteudo/noticias/68989/senado+aprova+regulamentacao+da+profissao+de+psicopedagogo.shtml


segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

Jogo emboscada - Trabalhando o desafio

Pessoal,

Decidi fazer sempre que possível um vídeo sobre os meus atendimentos e intervenções psicopedagógicas. Consegui editar uns dos primeiros vídeos que fiz sobre o jogo emboscada onde podemos trabalhar o desafio.
Espero que gostem do vídeo, peço desculpas por alguns erros. Os primeiros são muitos difíceis pois ficamos um pouco tímida ,e às vezes, sem querer cometemos alguns erros (vícios de linguagem local). Prometo que os outros ficarão melhores!
Ah sem querer cortei um pedacinho inicial do vídeo, coisas de marinheira de primeira viagem! =/
Peço que vocês assistam no Youtube e clique em gostei! (para dar um incentivo) =)






Atividade formulada por mim para aplicar após a atividade!