sexta-feira, 27 de maio de 2016

Como estimular as funções executivas?

COM AS DICAS ABAIXO VOCÊ AJUDA SEU FILHO A ESTIMULAR AS FUNÇÕES COGNITIVAS.
- Mantenha uma relação positiva com seu filho para ajudá-lo a se preparar melhor para lidar com situações estressantes, o que, por sua vez, o ajudará a desenvolver suas funções executivas.
- Seja afetuoso e sensível às necessidades do seu filho.
- Use métodos brandos de disciplina, como dialogar ele e pedir ou sugerir educadamente quando você quer que ele faça ou deixe de fazer alguma coisa.
- Incentive seu filho a ser independente, ajudando-o em suas atividades somente quando ele precisa.
- Tente manter atividades domésticas e rotinas consistentes e organizadas.
- Seja paciente quando seu filho pequeno tiver um comportamento rebelde (por exemplo, recusando-se de colocar o casaco antes de sair quando está fazendo frio, comendo um biscoito mesmo se você tiver dito a ele para não
fazê-lo).
- Seja realista a respeito do que ele pode fazer em diferentes idades. Por exemplo, quando a criança começa a escola, ela ainda não é capaz de se planejar com antecedência para fazer seus deveres. À medida que seu filho
crescer, ele entenderá por que é importante reservar tempo para fazer os deveres de casa.
- Incentive seu filho a se envolver em brincadeiras sociais de faz-de-conta com outras pessoas – especialmente brincadeiras onde ele precise assumir um papel e se adaptar à “história” conforme ela vai mudando.
- Escolha para ele jogos de computador e cognitivos que ajudem a desenvolver as funções executivas.
- Incentive seu filho a fazer ioga, meditação, música, artes marciais, dança ou atividades aeróbicas. Escolha atividades que sejam suficientemente desafiadoras para mantê-lo motivado.
- Pergunte ao professor da pré-escola ou de educação infantil como ele está se ajustando ao participar das atividades diárias (por exemplo, seguir instruções, controlar seus impulsos).
- Sempre levando em conta a idade de seu filho, fique atento aos sinais de funções executivas deficientes (por exemplo, dificuldade de prestar atenção, comportamentos impulsivos), pois eles podem indicar que seu filho está tendo dificuldades de desenvolvimento ou de aprendizagem.





Escola é lugar de estudar?

Você deve pensar... Esta pobre psicóloga deve estar com parafusos a menos presos na sua cachola. 

Que pergunta mais tola!

Ainda bem meus parafusos cerebrais estão bem, obrigada! Mas o que quero colocar em nosso bate papo hoje, é o fato de que, obviamente a escola é local de estudar sim, mas também é nela que aprendemos a viver em sociedade, fazemos amigos, brincamos... Coloco esta questão para conversarmos pois recebo pais desesperados pelo fato de uma criança de 5 anos ir na escola “só para brincar”e ainda não ter aprendido a ler e escrever ou ainda bravos com a coordenação por avisar aos pais que a criança não faz amizades ou é agressiva no contexto escolar.

As aulas de educação física por exemplo, contribuem para que a criança conheça seu corpo, tenha noção de esquerda e direita, trabalhe sua motricidade grossa. A aula de artes trabalha a motricidade fina, a criatividade, e isso não é essencial para o aprender com qualidade?

E o recreio? Ah, o delicioso recreio!! Palco de brincadeiras de pega pega esconde esconde, casinha...,  ver aquele menino bonito passar correndo e fazer o coração dar pulinhos junto, (além de conhecer a delícia que o amigo trouxe de lanche, é claro!). Cada vez mais curto e visto como dispensável, ensina nossas crianças a trocarem o que tem, a esperarem sua vez, a, por meio da fantasia, lidarem com seus medos e alegrias, além de propiciar uma maior interação com os outros alunos, sejam meninos, meninas, mais velhos ou mais novos, brancos, negros, japoneses, mais pobres ou ricos...! Quanta aprendizagem!



E quando chegamos ao temido sexto ano! Agora, já  “mocinhos” temos várias matérias teóricas e somos obrigados a abstrair tudo de uma vez, afinal, daqui a pouco o ensino médio vem aí e o vestibular assombrará sua vida háháhá!!!! Que horror!!  Estudar deveria ser mais legal. Que tal uma aula de Biologia no parque? E a temida física não podia vir criando circuitos elétricos mais sustentáveis na maquete da nossa casa? E química? Dá para aprender fazendo pão?? Tudo de “brincadeira”.


Claro que em alguns momentos há a necessidade de usar livros, lousas, cadernos, mas seria muito bom poder aprender de outras formas. Afinal a escola pode ser um lugar onde a gente aprende brincando e convivendo.


POR VIVIAN CAMILA

CURTA A PÁGINA DA NOSSA COLABORADORA E ACOMPANHE SEU TRABALHO: Clique aqui