quinta-feira, 30 de abril de 2015

Meu filho tem dificuldades em realizar cópia do quadro! O que devo fazer?

ESTUDO DE CASO:

A alguns meses atrás, recebi uma família em meu consultório, com a queixa: Meu filho, não consegue realizar cópias do quadro. E por muitas vezes, parece se distrair, em meio a sala de aula, durante as atividades escolares! 
Escutei o que eles tinham para dizer, fiz algumas perguntas, incluindo o lugar que a criança sentava, e se os pais já tinham buscado uma avaliação com oftalmologista, e eles responderam que sim,  que o profissional não tinha detectado nenhuma anormalidade.


Bom, mediante a estas informações, foi recomendado então que a criança passasse por uma avaliação psicopedagógica!

A família aceitou e assim formalizamos através de um contrato.

Iniciei a avaliação, seguindo um roteiro, sempre faço assim, pois a organização é fundamental para o trabalho psicopedagógico.

Mas no decorrer do processo, observei que o aprendente se aproximava da folha ou do livro, para enxergar melhor. Isto quando não apertava os olhos, e em algumas vezes lacrimejava!
Mesmo já sabendo que o menor, tinha passado por uma avaliação com um oftalmo, e nada tinha acusado. Pedi que a mãe, o levasse novamente, só que desta vez em outro local e com outro profissional.

Dei continuidade a avaliação, e quase antes de marcar a devolutiva, a mãe entregou o resultado. A criança, realmente tinha uma malformação congênita do olho, conhecida como HIPERMETROPIA.
HIPERMETROPIAé um tipo de ametropia e tem origem no globo ocular. Trata-se de um erro de refração que faz com que os raios luminosos que vão em direção dos olhos se encontram num foco atrás da retina e não em cima como deveria ser para um olho normal. Dessa forma, a capacidade refratária é alterada em relação aos olhos com visão normal. Isso causa dificuldade para enxergar objetos próximos e principalmente para leitura de textos.
A partir daí, e de todas as informações colhidas, pude fechar o diagnóstico, e entregar o resultado.
Toda a sua dificuldade em realizar cópia do quadro, e a "dispersão" confundida com falta de atenção, se manifestava, pelo fato dele executar a atividade, que para muitos era fácil e "normal", e para ele, gerava um desconforto e um esforço muito grande. Causada, estas sensações pela hipermetropia. 
Além de carregar o estigma de: PREGUIÇOSO E DE NÃO QUERER NADA, estes e outros adjetivos, que INFELIZMENTE, ainda, alguns professores utilizam! Muitos foram os prejuízos que esta criança teve, até obter um diagnóstico correto.
É fato, que estes "prejuízos" escolares ou não, somado aos anos, incluindo o processo de alfabetização, gerou um déficit em seu desenvolvimento, com notas baixas e anotações no caderno, com queixas da professora. 
Com algumas questões a serem trabalhadas, junto ao psicopedagogo, como ortografia, velocidade da leitura, omissão de letras, troca de letras e algumas inversões, entre outras. Foi recomendado, acompanhamento Pp, o uso do óculos para corrigir a hipermetropia, e com isto foi alcançado o resultado desejado!
Bom, se eu focasse apenas nos sintomas cognitivos, e ignorasse os outros, como os físicos, talvez eu fecharia um diagnóstico, com a "suspeita" de Dislexia! E encaminharia, a criança para outros profissionais, para então fechar o laudo. 
Mas como sempre falo, todo o cuidado é necessário, e os anos de experiência na minha atuação como psicopedagoga, me fez confirmar através de um novo exame, um outro resultado!

Por Karla Carvalho
Pedagoga e Psicopedagoga

AUTORIZO A CÓPIA DESTE CONTEÚDO EM SEU SITE,BLOG, PÁGINA, ARTIGO, TEXTOS, ACADÊMICOS OU INFORMATIVOS, DESDE QUE TENHA A MINHA CITAÇÃO COMO AUTORA. RESPEITANDO A LEI DE DIREITOS AUTORAIS.




terça-feira, 21 de abril de 2015

Resultado do sorteio - Primeiro sorteio - Promoção compre e concorra!

Olá pessoal,

Saiu o resultado do primeiro sorteio realizado referente a promoção COMPRE E CONCORRA, que estamos fazendo na plataforma de cursos.

Você pode concorrer aos próximo sorteios, basta se matricular em algum curso ou serviço, oferecido em nossa plataforma!

Fiz a gravação ao vivo do sorteio, para que  todos vejam que  não é marmelada..Rsrs

Tá aí o vídeo! O próximo sorteio será no dia 20/05.


RESULTADO:


domingo, 19 de abril de 2015

Meu filho tem TDAH! E agora?

Sempre quando os pais recebem esta informação, no primeiro momento, levam um “choque”! Por não saberem o que significa TDAH – Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade, o que é extremamente normal, pois tudo o que é novo assusta!!
Mas na verdade, não é para criar pânico. Pelo contrário, a partir do momento que se tem um diagnóstico, existe há possibilidade para agir e traçar um plano interventivo no qual poderá ajudar o seu filho a entender como funciona este processo e como poderá superar as dificuldades que surgirem no decorrer do caminho.
O TDAH é um transtorno neurobiológico, de causas genéticas, que aparece na infância e frequentemente acompanha o indivíduo por toda a sua vida. Ele se caracteriza por sintomas de desatenção, inquietude e impulsividade. Ele é chamado às vezes de DDA (Distúrbio do Déficit de Atenção). Em inglês, também é chamado de ADD, ADHD ou de AD/HD. Ele é o transtorno mais comum em crianças e adolescentes encaminhados para serviços especializados. Ele ocorre em 3 a 5% das crianças, em várias regiões diferentes do mundo em que já foi pesquisado. 
O TDAH se caracteriza por uma combinação de dois tipos de sintomas: Desatenção e Hiperatividade-impulsividade.
A criança que possui apenas a desatenção são classificadas como TDA, é aquela que parece estar no “mundo da lua”. Não ouve quando chamada, desconecta-se por alguns instantes e o pensamento a leva para outro lugar. Prejudicando, muitas vezes o seu desempenho escolar.
Já aquelas que possuem o transtorno combinado com hiperatividade e  impulsividade, são classificadas como TDAH. Não conseguem ficar paradas, mexem-se com frequência, costumam puxar conversa com seu colega de classe no meio da explicação da professora, na escola é um martírio ficar sentado, e prestar atenção então, é quase impossível. Não consegue ouvir uma ordem até o final, interrompendo o adulto, antes mesmo dele terminar. Costumam com frequência envolver-se em confusões, pois o comportamento impulsivo faz com que aja assim.
O melhor de tudo é saber que existe um tratamento e que a criança e o adolescente que são acompanhados por profissionais, conseguem alcançar seus objetivos na vida e ter uma qualidade de vida. Lembrando, que este acompanhamento se faz necessário com uma equipe multidisciplinar. Composta muitas vezes por: neurologista, psicopedagogo, psiquiatra, e em algumas vezes o psicólogo e o fonoaudiólogo se faz necessário, dependendo da área que precisa ser trabalhada.

Se você quiser conhecer melhor sobre o assunto, entre em contato.


Por Karla Carvalho – psicopedagoga@edah.com.br


sábado, 11 de abril de 2015

Dowtown - É um livro especial, com personagens que tem Síndrome de Down.

Olá pessoal,

Hoje venho indicar a leitura de um livro muito especial, que foi traduzido pela editora REVAN, e já é um sucesso na Espanha, país que deu origem ao livro.
O objetivo é esclarecer  a toda sociedade, que as pessoas com Síndrome de Down podem ter uma vida completamente normal, e devem ser inseridas em todas as atividades do núcleo familiar e da sociedade.

O livro tem o formato HQ, o que se torna muito mais interessante e atrativo, possui uma linguagem fácil, ilustrações bem coloridas, as folhas são de extremas qualidades, e a capa é dura, fazendo com que torne o livro mais resistente.

Pode ser utilizado para trabalhar a inclusão na escola, em casa, ong's, instituições...Enfim, em diversos lugares, mostrando que a pessoa com SD, tem as suas qualidades e atributos, e quando inseridos de uma forma saudável conseguem se desenvolver cada vez mais e contribuir muito com todos da sociedade.

Quanto mais falarmos e mostrarmos as pessoas, em especial as crianças, desde pequenas o quanto é importante o respeito e admiração pelo nosso próximo, e que todos podem ensinar e aprender, cada qual do seu jeito, conseguimos diminuir o preconceito e quem sabe um dia, acabar de vez!!

Tornando o mundo um lugar mais justo, feliz e agradável em se viver!

Recomendável a todos os públicos!

Vou deixar o link, do canal do youtube, onde eles mostram de forma ilustrativa e dinâmica o conteúdo do livro.


Se você tem interesse em adquirir o livro, entre em contato pela página psicopedagogia on line para todos - blog (Clique aqui para visualizar), no facebook, ou envie um e-mail para karlapprj@gmail.com

segunda-feira, 6 de abril de 2015

Meu filho não aprende: quem poderá me socorrer?

- Arthur, filho! Não mexe aí, já falei pra você parar quieto...

-Meu Deus, o que faço? Não aguento mais falar com ele. – Disse a mãe, com um olhar aflito.

- Pior que a escola vive reclamando, é bilhetinho quase todos os dias!

- E as notas bimestrais, nem sem fala...É sempre a mesma reclamação: “Seu filho não consegue responder todas as questões, e em algumas vezes, ele troca a resposta de uma questão por outra. Parece mesmo não prestar atenção!!”


Pode ser que ao ler este pequeno trecho, você tenha se identificado com a cena ou possa conhecer alguém, que viva este enredo ou tenha vivido. Todos os dias atendo algumas famílias, e a metade das queixas estão relacionadas a falta de atenção e notas baixas na escola.
O que muitos pais não sabem, é que estes sintomas, podem ser um sinal que seu filho tenha um transtorno ou distúrbio de aprendizagem, e que isto, consequentemente, venha gerar uma dificuldade de aprendizagem.
A palavra distúrbio do latim “disturbium”, “distubare” é composta pelo prefixo “dis”, que significa alteração e “tubare”  interromper. Traz em si, duplamente, o significado que alcança até hoje: um distúrbio é uma perturbação, algum tipo de alteração, de interrupção ou algo que funciona mal em uma ordem qualquer, é uma anormalidade patológica por alteração violenta na ordem natural da aprendizagem”, obviamente localizada em quem aprende. Portanto, um distúrbio de aprendizagem obrigatoriamente remete a um problema ou a uma doença que acomete o aluno em nível individual e orgânico.
Embora o termo aparenta algo assustador, não é necessário entrar em pânico. O que é importante fazer, é buscar ajuda de um especialista, para que possa investigar o que  esta por trás “do não aprender”.
É essencial saber, que o especialista que investiga e trata as causas de uma dificuldade de aprendizagem é o psicopedagogo. Através de um “longo” processo de avaliação, com 8 até 10 sessões, o terapeuta ira apurar o que pode estar ocasionando tais sintomas e dificultando o processo de aprendizagem. E quando necessário, a criança ou adolescente, será recomendado que faça um acompanhamento com o psicopedagogo, afim de ajudá-lo a superar suas dificuldades de aprendizagem e reeducá-lo. Fazendo com que ele consiga se organizar, melhorar sua capacidade atencional, diminuir sua agitação motora e assim obter um bom rendimento escolar.


Karla Carvalho – Pedagoga e psicopedagoga
Coluna educação - Jornal Portal Zona Oeste



sexta-feira, 3 de abril de 2015

Chamada oficial para a plataforma de cursos!

Acesse nossa plataforma e matricule-se

Novidades.... Jornal portal zona oeste!!

Oi pessoal,

Estou passando por aqui, para contar uma das últimas novidades...Estou colaborando com um jornal, aqui da minha cidade, chamado PORTAL ZONA OESTE. Participo  da coluna educação, onde todo o mês desejo contribuir, levando informação a todas as pessoas. Este mês já iniciei explicando sobre o que é dificuldades de aprendizagem, e para o próximo mês, darei sequencia.
Bom, é isto! Vou deixar o link do jornal para vocês acompanharem, e deixarem comentários sobre acharam da coluna. Para ler, (Clique aqui)

Beijo grande!!