domingo, 28 de junho de 2015

5 dicas que contribuem para o sucesso escolar do seu filho

O desejo de todos os pais, é que seu filho consiga obter nas avaliações escolares a tão sonhada nota dez ou a mais próxima possível deste resultado, não é mesmo?
Mesmo porque, o mundo muda, evolui, mas o sistema educacional persiste em avaliar o aluno pela tão famosa:  PROVA  BIMESTRAL, na forma escrita e quantitativa.
Se você precisa ajudar o seu filho a melhorar o desempenho escolar, segue algumas sugestões.

Cinco dicas que contribuem para o sucesso escolar do seu filho:
  

1   1. Elabore um quadro de rotina, com o objetivo de organizar as atividades diária. A organização é uma das chaves principais para alcançar o sucesso. Se você não tem noção de como organizar este quadro, (Clique aqui)  e será direcionado para o link do blog,lá tem um modelo pronto para imprimir e adequar de acordo com as atividades diárias do seu filho.

2  .   Esteja atento ao horário e a qualidade do sono, é importante habituar a criança a dormir todos os dias no  mesmo horário. Nos finais de semana, poderá fugir a  regra, se houver festas ou alguma atividade programada. Sendo importante, retornar a  rotina logo no dia seguinte, para que a criança não desabitue e você tenha que recomeçar.



3
   3. A alimentação deve ser equilibrada e saudável! Uma boa alimentação e no horário adequado é o recomendável para contribuir no processo de aprendizagem, peça ajuda ao pediatra do seu filho e monte um cardápio  saudável e equilibrado. Habitue-o desde pequeno, resultados positivos surgem o quanto antes for inserido o novo hábito.
4
    4.  A atividade física supervisionada é importante e saudável em todas as idades, pesquisas comprovam que as crianças quando praticam esportes, costumam ser mais atentas e disciplinadas. Este comportamento, irá influenciar positivamente na vida escolar do seu filho.

5 5. O local de estudo extraescolar é um dos pontos principais! Deve ser bem iluminado, arejado e longe de ruídos. Habitue seu filho a  seguir diariamente o mesmo horário para  realizar as atividades escolares. Ensine-o, a importância de sentar diariamente para estudar, mesmo se não houver tarefas para casa, ou avaliação no dia seguinte. Quando o aluno estuda diariamente o conteúdo abordado em sala de aula, fica mais fácil a compreensão das informações adquiridas. Faça pesquisa com ele na internet sobre o conteúdo, pesquise  sites que ofereçam jogos on line, uma maneira lúdica e divertida de aprender.


Por Karla Carvalho

domingo, 21 de junho de 2015

Relato de atendimento psicopedagógico: Torre de Hanói para intervenção psicopedagógica!

Olá pessoal,

Hoje venho compartilhar com vocês, uma atividade que realizei durante a intervenção psicopedagógica. Neste atendimento, utilizei o jogo torre de Hanói, com o objetivo de trabalhar: a atenção, concentração, estratégia, e o desafio. Existe, aprendentes que resistem e na primeira vez não gostam muito do jogo, por acharem difícil e pra alguns cansativo.  O  aprendente abaixo gostou e aceitou o desafio, começamos com 2 pinos e aumentei gradativamente, até chegar a 6 pinos. Fiz um vídeo breve apenas para demonstrar como funciona, o próximo vou gravar desde o começo.

Pra quem ainda não conhece, A torre de Hanói constitui num jogo estratégico capaz de contribuir no desenvolvimento da memória, do planejamento e solução de problemas através de técnicas estratégicas. O jogo se apresenta em uma base que possui três pinos na posição vertical. No primeiro pino temos uma sequência de discos com ordem crescente de diâmetro, de cima para baixo. O objetivo é passar todos os discos para o último pino com a ajuda do pino central, de modo que no momento da transferência o pino de maior diâmetro nunca fique sobre o de menor diâmetro. O jogo mais simples é constituído de três pinos, mas a quantidade pode variar, deixando o jogo mais difícil à medida que os discos aumentam. 

video


PASSO A PASSO:




sexta-feira, 19 de junho de 2015

1 Ciclo de palestras gratuitas no canal do you tube Karla Carvalho.

Olá pessoal,

E aí, estão curtindo a semana, cheia de convidados especiais?

Espero que sim, e pra quem ainda não sabe, o canal está promovendo uma semana cheia de aprendizado, trocas e informações.

Basta se inscrever no canal e acompanhar de perto!

Veja nossos convidados:

1o. dia:


2o. dia:


3o. dia



4o. dia



segunda-feira, 15 de junho de 2015

Promoção 1o Ciclo de palestras gratuitas no canal Karla Carvalho

Regulamento:

Estamos com uma super promoção, para todos os inscritos no canal do You tube (Karla Carvalho), respondendo a pergunta correta e preenchendo o formulário, você estará participando do concurso. Mas atenção! Só levará o prêmio se o participante estiver inscrito no canal e participando das palestras, através dos comentários, compartilhando as palestras e clicando em like (curtir). 

Prêmios:

 1o Prêmio: 1 Bolsa em tecido personalizada + 3 livros de histórias infantis + 1 jogo. 
 2o Prêmio: 1 Bolsa de 100% para utilizar em um dos nossos cursos on line. 
 3o Prêmio: 1 Bolsa de 50% para utilizar em um dos nossos cursos on line.



 


sexta-feira, 12 de junho de 2015

Como ajudar uma criança com dificuldades na escrita,utilizando o alfabeto móvel!

Olá pessoal,

Hoje venho compartilhar com vocês, uma atividade que realizei durante o atendimento psicopedagógico.  A criança em questão, tem dificuldades com a leitura e escrita, e também apresenta momentos de distração.
Resolvi utilizar o recurso lúdico, objetivo da psicopedagogia, para ajudá-lo a superar suas dificuldades.

Objetivo:

Realizar o trabalho através do lúdico, utilizando recursos que ajudem na construção da leitura e escrita. Trabalhando a atenção e concentração, dentro do contexto. Antes de iniciar a atividade, solicitar que a criança esteja atenta e concentrada, durante a atividade.

Instrumento utilizado:

  • Alfabeto móvel, folha de ofício, lápis, borracha e apontador, dicionário impresso ou computador.


Proposta:

  • Realizar uma lista, com pelo menos 5 atividades que a criança mais gosta de fazer. 


Aplicação:

  • Solicitar que realize uma lista  escrita a mão utilizando  folha de ofício ou almaço . 
  • Depois, retira-se a lista, e pede que a criança escreva utilizando o alfabeto móvel, os itens que tinha escrito na lista. 
  • Dessa forma, irá trabalhar a atenção e concentração, fazendo que  lembre os itens escritos na lista.
  • A quantidade de itens, pode ser aumentada de acordo com a idade e do grau de dificuldade que queira ser trabalhado.


Registro:

Durante a aplicação da prova, foi observado que a criança teve um pouco de dificuldades para lembrar os itens escritos, após alguns minutos, ela conseguiu lembrar e escrever, utilizando o alfabeto móvel.
Foi observado que a mesma, escreveu inicialmente algumas palavras com fonemas trocados, letra invertida, e omissão de letras. Após, solicitar que observasse o material escrito a mesma identificou o erro . Quanto a troca de fonemas, foi sugerido que realizasse uma pesquisa no computador, utilizando um site de busca, para verificar se a escrita estava realmente errada, utilizou-se o dicionário on-line. Após ter realizado a consulta, o mesmo verificou onde estava o erro, e substituiu o fonema.



sexta-feira, 5 de junho de 2015

Provas Operatórias de Jean Piaget - Material - Aplicação.


Prova – Conservação de conjuntos:

Material - 10 Círculos vermelhos, 10 círculos azuis. ( 1,5 cm)==> a moeda de R$1,00 tem esta medida, utilize como molde,riscando no papel.
O objetivo desta prova é avaliar a percepção da criança frente aos objetos de diferentes cores posicionadas em linhas paralelas. Deste modo poderemos observar a noção de quantidade na visão da criança. 
Critérios de aplicação - Para tornar a prova atrativa para a criança é importante utilizar uma linguagem que seja compreensível aos seus padrões, por exemplo, estórias infantis, brincadeiras, etc. Após esta introdução são colocados os círculos em seqüência de cores: 
 
Tem a mesma coisa?
 
Onde tem mais?
Avaliação: 
Não conservativo - 4 a 5 anos 
Nesta fase quando afastamos os círculos a criança tem a percepção mais apurada de tamanho do que quantidade, logo a fileira vermelha possui mais círculos do que a fileira azul. 
Intermediário 
As respostas não têm justificativas completas, mudando conforme as aplicações de cada prova. 
Conservativo - a partir de 5 anos 
A criança já possui alguma noção de quantidade, e até justifica o óbvio.

Prova – Conservação da superfície 
Material - 02 pranchas verdes retangulares de 20x25 cm, 16 quadrados vermelhos de 4x4 cm, 2 vaquinhas. (Utilize EVA, CARTOLINA OU PAPEL CARTÃO)
O objetivo desta prova é avaliar a percepção da criança frente à quantidade de ração colocada em dois pastos diferentes. 
Critérios de aplicação - São montados dois pastos com uma vaquinha em cada, sendo que no primeiro a disposição da ração, em termos de quantidade, é diferente do segundo. Podem ser aplicados alguns termos lúdicos para melhorar a capacidade de entendimento da criança. 
Em qual dos pastos a vaquinha comeu mais? 

Avaliação: 
Não conservativo - 4 a 5 anos 
Nesta fase quando afastamos os círculos a criança tem a percepção mais apurada de tamanho do que quantidade, logo a fileira vermelha possui mais círculos do que a fileira azul. 
Intermediário 
As respostas não têm justificativas completas, mudando conforme as aplicações de cada prova. 
Conservativo - a partir de 5 anos 
A criança já possui alguma noção de quantidade, e até justifica o óbvio. 
  


Prova – Conservação de quantidade de líquidos (Na ausência do copo de vidro, utilize o de plástico mais resistente)
Material – Copinhos de vidros 
O objetivo é avaliar a percepção da criança sobre a conservação de quantidade de líquidos usando recipientes diferentes, sempre a estimulando a manter o mesmo raciocínio em todas as provas. 
Critérios de aplicação - Iniciamos a prova com dois recipientes do mesmo tamanho com cores de líquidos diferentes A1 e A2. Depois transferimos o liquido A2 para o recipiente B, em seguida para o recipiente C, e para os quatros recipientes com dimensões iguais D1, D2, D3 E D4. Sempre perguntando a criança se possui a mesma quantidade quando mudamos de recipiente. 
Avaliação: 
Não Conservativo - 5 a 6 anos 
Quando mudamos de recipiente a criança tende a responder que a quantidade é diferente. 
Intermediário 
As respostas não têm justificativas completas, mudando conforme as aplicações de cada prova. 
Conservativo – a partir de 7 anos 
Nesta fase a justificativa da criança é mais convicta, entendendo que a quantidade de líquidos não muda apesar da troca de recipientes. 

Prova – Conservação de quantidade de matéria 
Material – 2 massa de modelar com cores diferentes E DO MESMO COMPRIMENTO. 
O objetivo é avaliar a maneira com que a criança distingue a quantidade de matéria em formas distintas. 
Critérios de aplicação – Para entrarmos no universo da criança, utilizamos a massinha e montamos em duas bolas com cores diferentes, fazendo-a entender que possuem o mesmo tamanho. Em seguida montamos uma bola em diversas figuras do dia a dia e perguntamos a criança onde tem mais ou qual é o maior. Exemplos: Chocolates, salsichas, pizzas, etc... 
Avaliação: 
Não conservativo – 5 a 6 anos 
A criança nega que a quantidade de massa continue igual, pois as formas são diferentes, não relacionando as situações. 
Intermediário 
As respostas não têm justificativas completas, mudando conforme as aplicações de cada prova. 
Conservativo – a partir de 7 anos 
Nesta etapa a criança possui uma percepção maior, tendo respostas mais concretas quanto à quantidade de matéria de cada figura. 

Prova – Conservação de Peso 
Material – 1 balança com 2 pratos 
O objetivo é avaliar qual entendimento da criança quando o assunto é peso. 
Critério de aplicação – Utilizamos uma balança com dois pratos e figuras em massinha com cores diferentes, mudando sempre as formas para avaliar a compreensão de diferenciação de peso. Pedindo para que a criança tente fazer com que as figuras tenham o mesmo peso. 
Avaliação: 
Não Conservativa – 6 a 7 anos 
Nesta fase, a criança define que cada figura tem pesos diferentes, a julgar pelo seu tamanho. 
Intermediário 
As respostas não têm justificativas completas, mudando conforme as aplicações de cada prova. 
Conservativa – a partir dos 8 anos 
Nesta fase a criança já é capaz de desenvolver raciocínios diferentes para uma mesma resposta. 

 
Prova – Conservação de Volumes 
Material – Copinhos de vidros 
O objetivo é avaliar a capacidade da criança em se deparar com dois recipientes diferentes e tentar colocá-los com a mesma quantidade de líquidos. 
Critérios de aplicação – Pedimos à criança que observasse a quantidade de água no recipiente A e logo em seguida tentasse colocar o mesmo volume no recipiente B. 
Avaliação: 
Não Conservativo – 5 a 6 anos 
Tendem a entender que colocar a água no recipiente B na mesma altura do recipiente A terá o mesmo volume. 
Intermediário 
As respostas não têm justificativas completas, mudando conforme as aplicações de cada prova. 
Conservativo – a partir de 7 anos 
Tendem a acertar, observando que o recipiente A por ser mais largo terá que acrescentar mais água no recipiente B; uma vez que a criança já diferencia aspectos e é capz de "refazer" a ação. 
   

. Prova - Conservação de comprimento (Utilize corrente de metal, barbante ou cadarço)
Material - uma correntinha de 10 cm e outra de 15 cm. 
O objetivo é perceber a noção de comprimento que a criança possui. 
Critério de aplicação - Colocamos duas correntinhas de tamanhos diferentes, paralelas, sendo que A > que B. Apartir de uma história lúdica, pergunta-se a criança: "Qual estradinha andaríamos mais em A ou em B?. Na segunda figura utiliza o mesmo tamanho das correntinhas do exemplo anterior, só que desta vez,a disposição entre A e B são iguais. Faz-se uma nova pergunta: " E agora onde a gente anda mais?"Conforme ilustração. 
Avaliação: 
Não Conservativo – 6 a 7 anos 
A criança tende a não observar os comprimentos e justifica que as disposições são idênticas. 
Intermediário 
As respostas não têm justificativas completas, mudando conforme as aplicações de cada prova. 
Conservativo – a partir de 8 anos 
Tende a responder que A é > que B, se colocarmos ele novamente em linha reta. 


. Prova - Mudança de critérios - MATERIAL EVA, CARTOLINA OU PAPEL CARTÃO - NA AUSÊNCIA DESSAS CORES, SUBSTITUA POR OUTRAS. MEDIDAS: CÍRCULOS E QUADRADOS GRANDES = 4CM DIÂMETRO; CÍRCULOS E QUADRADOS PEQUENOS = 1,5 CM. UTILIZE UM COMPASSO PARA FAZER O MOLDE DO CÍRCULO.
Material - 1 caixa de papelão de 12x12x5cm de altura; 6 círculos pequenos azuis; 6 círculos grandes e vermelhos; 6 quadrados pequenos vermelhos; 6 quadrados pequenos azuis; 6 quadrados grandes vermelhos; 6 quadrados grandes azuis. 
O objetivo é avaliar a separação de objetos por cores e formas. 
Critério de aplicação - Apresenta para a criança as formas com cores diferentes. 
Primeiro pede para ela separar da maneira que ela desejar, depois pergunta, qual critério ela usou para separar? 
Avaliação: 
Não Conservativo – 4 a 5 anos 
As crianças mudam de critério muito rápido. Elas justificam pela cor ou pela forma. 
Intermediário 
As respostas não têm justificativas completas, mudando conforme as aplicações de cada prova. 
Conservativo – a partir de 8 anos 
Ela separa as formas, justificando que é uma nova figura.Exemplos: Porque com essas formas monto uma casa e com essas um carro. 

. Prova – Inclusão de classes - MATERIAL: EVA,CARTOLINA OU BISCUIT. 
Material – 10 margaridas, 3 rosas 
O objetivo é avaliar a capacidade de entender que tanto margaridas quanto rosas pertencem a mesma classe de flores. 
Critérios de aplicação – Mostrar as margaridas e as rosas e perguntar: Se fizermos um buquê de flores, existem mais flores ou mais margaridas? Podem-se mudar as perguntas para induzir a criança ao erro. 
Avaliação: 
Não Conservativo – 5 a 6 anos 
A criança não entende que tanto as rosas quanto as margaridas são flores, então ela tende a responder que tem mais margaridas do que as rosas. 
Intermediário 
As respostas não têm justificativas completas, mudando conforme as aplicações de cada prova. 
Conservativo – a partir de 7 anos 
Todas as respostas são corretas, mas elas se espantam com a 1a pergunta: "Nesse ramos tem mais margaridas ou mais flores?". 



. Prova - Seriação de palitos - MATERIAL: PALITOS DE MADEIRA OU DE CHURRASCO, CORTE AS PONTAS, LIXE-AS PARA NÃO ARRANHAR A CRIANÇA.
Material - uma série de 11 palitos graduados. 
O objetivo é observar se a criança tem noção de altura e tamanho. 
Critério de aplicação – Estimula-se a criança com uma história, pedindo, que ela faça uma escada com os palitos. Avaliar como ela escolhe cada bastão e a ordem na qual ela arranja. Se a criança acerta, entrega os palitos em desordem e avisa que vai montar a escada e pede para que ela entregue em seqüência para você. Avaliar os critérios que ela usa para escolher a ordem. 
Avaliação: 
Não Conservativo – 3 a 4 anos 
Não entende a ordem dos palitos e monta por ordem horizontal ou vertical e não se atenta com bases. 
Intermediário 
As respostas não têm justificativas completas, mudando conforme as aplicações de cada prova. 
Conservativo – a partir de 6 anos 
A criança entende e começa a separar só os menores ou maiores primeiro e depois os coloca em ordem verticalmente ou dispondo-o sobre uma linha de base. 




Prova de intersecção de classes

1. Descrição do material
3 classes de ficha:
5 círculos amarelos
5 círculos azuis
5 quadrados azuis
1 prancha de cartão, onde estão desenhados dois círculos, um preto e um verde, que se entrecruzam, delimitando três partes, uma das quais é comum aos 2 círculos.

2. Execução
O avaliador coloca as fichas dentro dos círculos que se cortam, as fichas amarelas e os quadrados azuis nas partes laterais e as fichas redondas azuis na parte comum.
Pede-se à criança que nomeia as fichas e suas características e pergunta-se:
1. Por que você acha que colocamos estas fichas redondas azuis no meio?
A seguir, o avaliador faz as perguntas abaixo:
2. Existem aqui mais fichas amarelas ou mais fichas azuis, ou existem número igual?
3. Existem aqui mais fichas quadradas ou mais fichas redondas, ou existe número igual?
4. Você acha que tem mais, menos ou mesmo tanto de fichas redondas ou fichas azuis? Como você sabe? Pode me mostrar? Pergunta de inclusão; (as quadradas estão incluídas nas azuis; portanto, as azuis estão em maior quantidade que as quadradas). O avaliador deve anotar as respostas da criança na ficha.
5. Você acha que tem mais, menos ou o mesmo tanto de fichas redondas ou azuis? Como você sabe? Pode me mostrar? Pergunta de intersecção; as fichas da intersecção são incluídas tanto nas azuis quanto nas redondas; portanto, tem a mesma quantidade.

Perguntas suplementares
Se a criança não acerta as principais perguntas, o avaliador formula as perguntas suplementares que recaem sobre os conteúdos dos círculos e de sua intersecção: “O que há no círculo negro? Mostra-me. E no círculo verde?


Avaliação
Resposta de nível 1 – intuitivo global. A criança é capaz de constatar com acerto as perguntas que recaem sobre as classes não relacionadas (2 e 3), mas ainda não pode compreender as perguntas referentes à inclusão e a intersecção. Tampouco tem êxito nas perguntas suplementares porque não leva em conta o conteúdo da intersecção.
Exemplo: O que há no círculo verde? R: redondas azuis. O que há no círculo preto? R: quadradas azuis.


Resposta de nível 2 – intuitivo articulado. A partir deste nível observam-se êxitos nas perguntas suplementares (a criança se dá conta de que dentro de um círculo estão todas as fichas redondas e dentro do outro círculo estão todas as fichas azuis). Frente às perguntas 4 e 5, ou seja, de inclusão e de intersecção, a criança tem dúvida e pode responder corretamente ou não a alguma das duas perguntas.


Respostas de nível 3 – operatório concreto. A criança deste nível de pensamento tem acerto preciso desde o primeiro momento, a todas as perguntas: classes não selecionadas (2 e 3), de inclusão (4) e de intersecção (5).




Prova de quantificação da inclusão de classes

A) Descrição do material
1. ramo com: 10 margaridas e 3 rosas vermelhas

B) Execução
O avaliador faz com que a criança nomeie as flores e assegura-se de que conhece o termo genérico – flores: “As margaridas são flores?” “As rosas são flores?” “Você conhece outras flores? Quais?”

O avaliador era formulando as seguintes perguntas e anotando as respostas da criança.
1. Neste ramo há mais margaridas ou mais flores? Depois da resposta da criança pergunta-se: “Como você sabe? Se a criança responde “rosas” (ou de rosas), pede-se à ela que repita a pergunta que foi formulada, em caso de erro, o avaliador repete a pergunta.
2. Existem duas crianças que querem fazer ramos. Uma faz um ramo com margaridas e me dá o ramo; a outra faz um ramo com flores. Qual o ramo que é maior?
3. Se eu te dou as margaridas, o que sobra no meu ramo?
4. Se eu te dou as flores, o que sobra no meu ramo?
5. Eu vou fazer um ramo com todas as margaridas e você vai fazer um ramo com todas as flores. Quem terá o ramo maior? Como você sabe?

C) Avaliação
Resposta de nível 1 – ausência da quantificação da inclusão, 5/6 anos. A criança se mostra incapaz de comparar o número e elementos de uma sub-classe com o de uma classe mais geral em que está incluída, procede sistematicamente à comparação das duas sub-classes e responde, então, que há mais margaridas do que flores. Quando se faz a pergunta: “mais margaridas do que o quê?”, geralmente responde: “Mais margaridas do que rosas. Neste nível as perguntas que recaem sobre a subtração das sub-classes dão lugar, às vezes, a fracassos. (perguntas 3 e 4)


Resposta de nível 2 – condutas intermediárias: se observam poucas condutas intermediárias. Notam-se por parte da criança na pergunta: há mais margaridas ou mais flores? A criança, às vezes, responde: “é o mesmo”, justificando esta resposta com o argumento: “as margaridas também são flores!” Neste nível o avaliador contesta bem as perguntas 3 e 4.


Resposta de nível 3 – solução da inclusão quantificativa, a partir de 7/8 anos. Todas as perguntas recebem repostas corretas, ainda que, às vezes, se observem dúvidas é estranheza no primeiro enunciado da pergunta 1.
  
Bibliografia:
SAMPAIO, Simaia. Manual Prático do Diagnóstico Psicopedagógico Clínico. Rio de Janeiro, Editora WAK, 2009.
VISCA, Jorge. El diagnostico operatorio em la practica psicopedagogica. Buenos Aires, Ag.Serv,G,. 19

PROJETO DE LEI DA CÂMARA SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA PSICOPEDAGOGIA

Quer conhecer o projeto criado para a regulamentação da profissão da psicopedagogia?

Clique no link abaixo e leia as informações sobre o projeto de lei da câmara N.31/2010
Clique aqui




Psicopedagogos reivindicam regulamentação do exercício da atividade de psicopedagogia

Psicopedagogos reivindicam regulamentação do exercício da atividade de psicopedagogia
ter, 03/06/2014 - 9:41am
A Comissão de Educação, Cultura e Esporte realizou, no último dia 3 de maio, audiência pública para debater a regulamentação da atividade dos psicopedagogos, que é objeto do projeto de lei da Câmara 31/2010. Participaram do debate uma representante da categoria, que defendeu a regulamentação, além de representantes de psicólogos e fonoaudiólogos, que argumentaram contra a aprovação do projeto.
A presidente da Associação Brasileira de Psicopedagogia, Quézia Bombonatto, explicou que a atividade lida com o processo da aprendizagem, levando em consideração a influência do meio, como a família, a escola e a sociedade. Ela informou que a psicopedagogia é praticada no país há 35 anos, tendo desenvolvido, ao longo do tempo, produção acadêmica e ferramentas próprias, e que há hoje mais de 150 mil psicopedagogos no Brasil. Quézia Bombonatto assegurou que a atuação do psicopedagogo não invade as áreas de atuação de outros profissionais e argumentou que a sociedade já legitimou a prática, que, segundo ela, já é regulamentada em vários países.
A regulamentação é questão de disciplinamento. Se já há mais de 150 mil profissionais na área, é importante haver disciplinamento. Já temos código de ética, mas é importante que tenhamos respaldo da lei – disse. Participaram da mesa, representantes de outras categorias que se posicionaram contra a regulamentação da profissão do psicopedagogo: a presidente do Conselho Federal de Fonoaudiologia, Bianca Queiroga; Celso Tondin, integrante do Conselho Federal de Psicologia e a diretora da Associação Brasileira de Ensino de Psicologia, Alayde Maria Digiovanni.
Ao final do debate o relator do projeto na CE, senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP), disse acreditar que na negociação que resulte no consenso entre as diversas categorias, de modo que seja possível regulamentar a atividade e resguardar as competências dos demais profissionais. O presidente da comissão, senador Cyro Miranda (PSDB-GO), disse que solicitará aos ministérios do Trabalho, da Saúde e da Educação que se manifestem a respeito da regulamentação da atividade de psicopedagogia.
Fonte: Portal de Notícias, Agenda do Senado. Em itálico, recordes da publicação de Moisés de Oliveira Nazário.
Extraído:http://www.abpp.com.br/regulamentacao-do-exercicio-da-atividade-de-psicopedagogia