sábado, 26 de dezembro de 2015

Breno Viola, primeiro portador de Síndrome de Down, faixa preta no judô. Usa sua história como exemplo em projeto social.

Navegando pela internet, encontrei esta matéria e achei fantástica, um belo exemplo de vida. Sendo assim, resolvi compartilhar com vocês. 

Quem conhece Breno Viola sabe que para ele tudo é possível. Das limitações enfrentadas durante a vida, segundo o carioca, nenhuma é intransponível. E prova disso está na carreira de sucesso que o atleta de 35 anos construiu no judô. Há cerca de três décadas no esporte, ele se tornou o primeiro portador de Síndrome de Down do mundo a alcançar a faixa preta.
O currículo faz de Breno um exemplo e, mais recentemente, um padrinho. Para inspirar quem precisa de um “empurrãozinho” na luta contra os obstáculos do dia a dia, o atleta aceitou o convite para participar do Instituto de Projetos e Ações Sociais Dr. João Pallotino, do Rio. A entidade é responsável por ações que buscam o desenvolvimento social de crianças, jovens e adultos:
— Foi algo que eu não esperava. Um dia recebi uma ligação, eram eles me convidando para participar. É algo especial. Não quero ajudar somente portadores de Síndrome de Down, mas qualquer pessoa que precise.
O judoca não foi escolhido por acaso. No currículo estão dois Mundiais em sua categoria, feito que fizeram dele uma referência internacional quando o assunto é inserção de portadores de Síndrome de Down. Agora padrinho, Breno já sabe qual o próximo passo da parceria com o instituto.
— Já existe uma possibilidade de fazermos algo para portadores de Síndrome de Down no futuro. Ainda não sei quando será o próximo encontro e como será. Mas o apoio é fundamental para termos mais gente inserida na sociedade. Seja por meio do esporte ou não — ressalta ele, explicando que ajuda o instituto participando de bate-papos: — Conto minha história e mostro que nada é impossível.
Nas olimpíadas, mas fora do tatame


De férias após o fim dos treinos no Flamengo, Breno não poderá participar dos Jogos Paralímpicos do Rio, no ano que vem. A organização da competição veta a presença de atletas portadores de Síndrome de Down. Apesar do impedimento, o judoca não ficará fora da festa do esporte em sua casa.
— Vou ajudar de diversas formas. Além de treinar com atletas paralímpicos que participarão da disputa, serei voluntário nas Olimpíadas. Também fui convidado para o revezamento da tocha olímpica, mas ainda não está confirmado — revela, sem esconder a animação com esta possibilidade.
Para Breno, os títulos conquistados durante décadas de tatame estão em segundo plano. O primordial é ajudar quem mais precisa:
— É diferente das medalhas que ganhei. É mais especial, não apenas por eu ser o padrinho do projeto, mas por eu ter uma missão. E isso vale como uma medalha de ouro.


Fonte: http://extra.globo.com/esporte/primeiro-portador-de-sindrome-de-down-faixa-preta-no-judo-breno-viola-usa-sua-historia-como-exemplo-em-projeto-social-18362663.html#ixzz3vRsThqEg

sexta-feira, 20 de novembro de 2015

Como ajudar seu filho a recuperar a nota e ser aprovado na escola

O ano passou e você nem percebeu! Eis que o final do ano se aproxima e com ele: O natal, as férias, aquela viagem tão desejada e planejada por você, para curtir e relaxar junto com a família! Tudo parece PERFEITO, não é mesmo?
Seria, se ao olhar o boletim do seu filho, você não se deparasse com notas abaixo da média, e pontos para serem recuperados. Bom, tá certo que bate aquele “desespero” e milhares de lamentações e até mesmo a danada da “culpa” ronda a sua cabeça, e vem logo a pergunta: Aonde foi que eu errei?...É ser mãe, é ter esse sentimento presente, mesmo quando não queremos, ou pelo menos tentamos fazer de tudo para  ele não se tornar constante!
Aí vem a dúvida: O que fazer? Adiar a tão sonhada viagem que o pé está quase lá? Ou tentar ajudar o seu filho a recuperar a nota e assim não precisar passar por uma recuperação no final do ano, e ter que cancelar ou adiar as férias?
Bom, a decisão depende apenas de você! E pra ajudar, deixo algumas sugestões que poderão acrescentar e quem sabe assim a tão esperada média será alcançada.
1ª. Separe uma folha em branco, pode ser no formato ofício ou A4;
2ª. Escreva no centro da folha o tema que deseja trabalhar com seu filho;
3ª. A este tema desenhe linhas paralelas e escreva tópicos que remeta ao tema;
4ª. A partir desses tópicos poderão surgir subtópicos, mas tenha cuidado, escreva apenas o que irá ajudar, e fazer o seu filho lembrar do conteúdo estudado;

5ª. Durante o planejamento desta atividade vá conversando com ele sobre o conteúdo e peça que vá anotando palavras chaves, isto fará com ele “armazene” e retenha as principais informações e faça  associação com as palavras escritas, principalmente na hora da prova;
6ª. Brigar, gritar, e utilizar outros tipos de agressões, não irá ajudar a resolver este “problema”, muito pelo contrário...Apenas o diálogo fará a diferença e ajudará ele a sair dessa;
7ª. Utilize palavras incentivadoras como: Você é capaz! Você consegue! Eu acredito em você! Acredite em você! Parabéns! E mantenha a calma na hora da avaliação. Se preciso for respire fundo, e recomece a prova;
8ª. Utilize a sua criatividade, crie uma música e faça com que ele armazene as palavras escritas e destacadas, tudo isso também gera resultados positivos;
9ª. Oriente a começar pelas questões mais fáceis;
10ª. E no dia anterior, se possível for, faça uma programação que ele goste, opte por uma mais tranquila, cinema, teatro, um passeio ao ar livre, costuma trazer bons resultados, deixando ele mais tranquilo..

Por Karla Carvalho

sexta-feira, 9 de outubro de 2015

Ferramenta que ajuda a ensinar letras e números


Baixe o Sebran e utilize na sua casa,escola ou nos seus atendimentos!


Fácil de utilizar e a criançada adora!!


Contém figuras coloridas, músicas agradáveis, jogos alfabetizantes e leituras rudimentares. Possui diversos idiomas, entre eles: inglês, espanhol, alemão, espanhol e francês.


Existem doze tipos de exercícios diferentes, dos quais os seis mais simples oferecem quatro alternativas possíveis para resposta. Se você escolher a alternativa correta, verá um sorriso; se optar pela errada, um rosto franzido negará a resposta, possibilitando uma nova tentativa. Há também um jogo matemático que introduz os números de 1 a 9. Estes são usados nos exercícios Somar, Subtrair e Multiplicar, cada um com dois níveis de dificuldade. Em Aponte a figura, uma das quatro figuras corresponde à palavra exibida; Primeira letra oferece quatro letras possíveis para que se complete uma palavra. Seu filho pode aplicar as habilidades adquiridas nestes exercícios para jogar Memória, Memória de Palavra ou Forca. Por último, os jogos Chuva ABC, Chuva de Letras e Chuva 1+2 auxiliam na prática da digitação, utilizando o teclado.
ABC do Sebran é gratuito.

Uma resenha do ABC do Sebran

"Nunca houve um programa infantil tão simples e especial como esse. Para as crianças aprenderem suas letras e números, Sebran oferece um ótimo ambiente de diversão e descobertas. As crianças podem jogar Forca, Memória e Gotas de Chuva ou aprender matemática, praticando adição, subtração e multiplicação. Este programa é um ótimo caminho para iniciar a aprendizagem das crianças no computador, e muitos professores de Pré-escola e das primeiras séries do Ensino Fundamental farão do Sebran parte de seu trabalho."
-kidsdomain.com 



Para baixar GRATUITAMENTE Clique aqui


sábado, 26 de setembro de 2015

Ginástica cerebral: exercícios que ajudam a estimular sua memória e auxiliam na aprendizagem.


Os exercícios selecionados poderão ser realizados com crianças, adolescentes, jovens e adultos. Aplique de acordo com o desempenho cognitivo do indivíduo. Os resultados são variáveis, e surgem no tempo individual de cada um. Algumas pessoas respondem mais rápidos aos estímulos, outras mais devagar. Em média, após 6 meses de estimulação, foi percebido bons resultados.

  1. Teste das cores
  2. O teste das cores consiste numa matriz com palavras e cores. As palavras correspondem ao nome das cores, por exemplo: "Azul", "Verde" e "Amarelo". Cada uma das palavras possui uma cor correspondente, por exemplo, a palavra "Azul" escrita a amarelo e a palavra "Amarelo" escrita a verde.
    O objetivo deste teste é dizer a cor de cada uma das palavras evitando ler a palavra propriamente dita. Ou seja, na palavra "Amarelo" escrita a verde, o indivíduo deve dizer "verde" e não "amarelo".
    Este exercício é muito estimulante, pois, o lado esquerdo do cérebro irá tentar ler o texto e, por sua vez, o lado direito tentará dizer a cor.

  3. Teste do texto embaralhado
  4. Neste exercício apresenta-se um texto em que as palavras estão escritas com as suas letras embaralhadas. Seria suposto que o indivíduo não o conseguisse ler, pois a palavra deixa de fazer sentido e é diferente de todas aquelas que ele aprendeu durante a sua experiência, no entanto, ao ler o texto constata-se uma fascinante capacidade de decifrar cada palavra de uma forma fluente e hábil.
    Este exercício estimula a atividade cerebral em decifrar e antecipar as palavras seguintes da frase, uma vez que o cérebro lê palavra a palavra e não a frase completa.


  5. Cálculo Mental
  6. O cálculo mental consiste na realização de contas sem o recurso à máquina calculadora ou a cálculos auxiliares. Toda a conta deve ser realizada com base no pensamento, até determinar o resultado da operação.
    Durante o cálculo mental existe a necessidade de memorizar valores intermédios, os quais serão futuramente usados para a continuação do raciocínio.
    Este exercício é uma excelente forma de estimular o raciocínio, a memória e a atividade cerebral.

  7. Jogo da Memória
  8. O jogo da memória pode ser apresentado sob diferentes formas, por exemplo, com um baralho de cartas ou um cenário. No caso do baralho de cartas, estes devem conter vários pares de cartas iguais. Depois, estas devem ser dispostas sobre uma superfície com as imagens voltadas para baixo. O objetivo é o indivíduo voltar aleatoriamente duas cartas de cada vez, de forma a descobrir os pares. À medida que o indivíduo, por tentativa e erro, virar as cartas, ele vai memorizando a posição de cada uma. Este jogo torna-se mais estimulante quando jogado dois a dois: vendo quem consegue fazer mais pares, ou quem os descobre de forma mais rápida.
    No jogo da memória respeitante a um cenário, ele pode ser apresentado sobre a forma de "descubra as diferenças" entre duas imagens ou ainda, visualizando uma determinada gravura de forma a responder a perguntas como "quantas árvores viu na imagem?".

  9. Variar o percurso para o trabalho
  10. Os especialistas garantem que alternar as rotinas diárias é uma excelente forma de estimular a atividade cerebral, pois obriga a mente a memorizar novos trajetos e situações, evitando a rotina. A rotina diária cria alguma habituação e leva à memória muscular. Ao fim de algum tempo, o cérebro fica entorpecido e o indivíduo age como que por instinto, desligando-se da necessidade de se manter desperto.
    Variar o percurso de casa para o trabalho é um excelente exercício para a atividade cerebral, podendo ser reforçado com a variação dos meios de transporte, quando possível.

  11. Trocar o rato (mouse) do computador de lado
  12. Trocar o rato do computador de lado é um exercício muito desafiante para a atividade cerebral. Consiste numa nova técnica para melhorar a concentração através do treino da criatividade e da inteligência.
    Este exercício é tão válido como trocar a escova de dentes de mão e trocar o relógio de pulso. O cérebro está habituado a controlar um dos membros e fá-lo de uma forma muito imediata devido à rotina. No entanto, quando se troca de lado ele ressente-se e tem de aprender a fazer de novo aquela ação, ou seja, é estimulado.

  13. Memorizar a lista das compras
  14. Memorizar a lista das compras é uma forma de treinar a concentração e a memória. Ao tentar decorar uma lista de compras, a letra de uma música ou uma oração, o indivíduo exercita o cérebro, pois utiliza a atenção, a concentração e a memorização.
    No caso prático da memorização da lista das compras, o objetivo é decorar a lista e utilizá-la a uma distância temporal diferente daquela em que exercitou a memória. Como resultado, o indivíduo serve-se de uma lista mental memorizada nas suas "prateleiras de informação".

  15. Quebra-cabeças
  16. Qualquer tipo de quebra-cabeças, sejam palavras cruzadas, sudoku, "descobre as diferenças" ou labirintos, são exercícios fundamentais para o treino das capacidades cognitivas.
    Como o próprio nome indica, os quebra-cabeças fazem pensar, exercitar, memorizar e ativam a concentração para a resolução do enigma. Neste sentido, é uma excelente forma de ocupar a mente e estimulá-la, tornando-a mais ágil à medida que o jogo vai avançando.

  17. Aprender uma palavra nova todos os dias
  18. Não há melhor forma de alguém aprender uma palavra nova do que folhear o dicionário e selecionar uma palavra que, até à data, lhe era totalmente desconhecida. Depois, a pessoa deverá utilizá-la em diferentes contextos, fazendo novas frases e trocadilhos com a mesma.
    Este exercício é útil para o incremento do vocabulário do indivíduo, mas também é um estimulante da criatividade, da memória e do raciocínio.

  19. Estimular o paladar
  20. É através do paladar que o cérebro faz associações de sabores a alimentos ou substâncias. Provar novos sabores permite ao cérebro criar novas sensações e acrescentar mais informação, estimulando assim a atividade cerebral.
    Estes dez exercícios são bons exemplos de diferentes atividades que estimulam o cérebro. No entanto, deve-se adotar um estilo de vida saudável, com cuidados na alimentação e prática de atividade física. Deve existir um equilíbrio entre o corpo e a mente, para que um não seja mais exercitado do que o outro. A reter: Mens sana in corpore sano, ou seja, mente sã em corpo são.

sábado, 19 de setembro de 2015

Ginástica cerebral, aprenda a estimular o seu cérebro.

Hoje em dia, existe uma preocupação muito grande para melhorar a qualidade de vida, pois sabe-se o quanto é importante cuidar da saúde. Há busca pelo físico perfeito, está cada vez mais em alta. Mas, será que cuidar apenas do físico é garantia para ter uma vida saudável e alcançar o sucesso profissional? Claro que não! Se a pessoa não estiver em equilíbrio com o corpo e a mente, dificilmente obterá sucesso. Por isso, é tão importante estimular a memória, para que tudo saía perfeitamente conforme planejamos.

O desenvolvimento cerebral
O órgão do corpo humano, importante, se não o mais importante, responsável pela inteligência e pelos sucessos e insucessos pessoais e profissionais, é o cérebro, a estrutura mais complexa existente e o mais desafiante instrumento criado pela natureza. Tão importante que é o único órgão que tem uma “embalagem” rígida para sua proteção, que é o crânio.
É ele que cuida não só da manutenção da nossa vida como, também, das nossas emoções, da capacidade de raciocinar mais claramente, da facilidade maior ou menor de encontrar soluções para as diversas situações enfrentadas, pelo desenvolvimento da criatividade, pela nossa inteligência e pela aprendizagem.
Ao contrário dos demais órgãos, o cérebro é o único que pode melhorar seu desempenho com o passar do tempo, quanto mais for utilizado. Um cérebro que está sendo constantemente exigido, treinado, utilizado e desafiado, terá um desempenho cada vez melhor; independente da idade da pessoa.
Acreditava-se que a inteligência não poderia ser estimulada, que era algo que se tinha ou não na carga genética. Hoje, porém, sabe-se que é possível estimular determinadas tarefas do cérebro que podem melhorar o desempenho intelectual.
E como o cérebro é treinado? Como podemos melhorar seu desempenho? Você deve estar se perguntando! E eu digo, existem diversas maneiras e uma delas é através da utilização da técnica chamada GINÁSTICA CEREBRAL.



O cérebro funciona através dos estímulos que recebe dos sentidos da audição, visão, olfato, tato, e paladar, que estão constantemente municiando-o de informações que captam do ambiente.Estas informações são recebidas e transformadas em descargas elétricas e transmitidas de neurônio para neurônio (as células do cérebro) através dos dendritos e sinapses (ligações cerebrais entre neurônios) para as diversas memórias que compõem nosso cérebro, onde ficam arquivadas aguardando o momento de serem utilizadas.
Logo, ao realizar os exercícios diariamente, estará estimulando e ajudando o cérebro a superar as dificuldades que possam surgir e irá prepará-lo para novos desafios. Abaixo veja algumas sugestões. 

1º. Troque o relógio de pulso de lado, se você tem o costume de colocá-lo no lado direito, passe-o para o esquerdo.
2º. Tome banho com a luz apagada.
3º. Modifique o caminho no qual você realiza para chegar ao trabalho, faculdade, academia, curso  ou outro local diariamente.
4º. Memorize a lista de compras ou as tarefas que precisa realizar durante o dia.
. Tente falar algumas palavras ou frases ao contrário, inicie com palavras fáceis, e aumente a dificuldade com o tempo colocando palavras mais difíceis.
6º. Faça palavras cruzadas, aquelas que vem na sessão de passatempo dos jornais.
7º. Memorize  poema ou letra de música que goste muito.
8º. Decore o número de telefone de um contato importante na sua cabeça.
Bom treino e observe os resultados!


Por Karla Carvalho, empreendedora, pedagoga, psicopedagoga, especialista em dificuldades de aprendizagem.

terça-feira, 25 de agosto de 2015

Distúrbio Específico de Linguagem (DEL) - pode ser o responsável pelo atraso na linguagem.

Pouco conhecido entre profissionais da saúde e da educação, o Distúrbio Específico de Linguagem (DEL), pode provocar dificuldades no desenvolvimento da fala e leitura, além de comprometer o aprendizado escolar.

Alta prevalência na primeira infância, causa dificuldades no desenvolvimento linguístico que podem trazer consequências permanentes por toda a vida. De acordo com a Dra. Noemi Takiuchi, professora adjunta do curso de Fonoaudiologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, o indivíduo com DEL tem todas as condições para desenvolver a linguagem e, mesmo assim, não evolui, nesse aspecto, no mesmo padrão em que se desenvolve nas outras áreas. 

“Para diagnosticar o distúrbio é utilizado um critério de exclusão de outros quadros, como deficiência auditiva e intelectual e autismo. A criança com DEL tem um desempenho em comunicação abaixo do esperado para sua idade. Ela brinca e interage, mas a linguagem não acompanha essa evolução”, diz a professora. A origem desse distúrbio é genética, mas ainda não foi possível associar um gene específico determinante do DEL, além disso, aspectos ambientais podem potencializar as dificuldades. 

Sabe-se que a origem desse distúrbio é genética, mas ainda não foi possível associar um gene específico determinante do DEL, além disso, aspectos ambientais podem potencializar as dificuldades. 

É comum que os profissionais não encaminhem crianças com dificuldades no desenvolvimento de linguagem, na ausência de outros comprometimentos, considerando que se trata de uma variação normal, um atraso sem maiores consequências. 

Segundo a especialista, é possível que haja variação no desenvolvimento da linguagem das crianças, mas, em geral, as primeiras palavras já são observadas a partir de um ano de idade. “Os pais devem ficar atentos se a criança não se comunica predominantemente por palavras ou demora a organizá-las em frases após os dois anos de idade. Se o atraso na aprendizagem da linguagem permanecer, é importante a avaliação de um fonoaudiólogo”, afirma.  





Com o auxílio da terapia fonoaudiológica, é possível melhorar o desempenho no processo de comunicação por meio do desenvolvimento de habilidades.  “É comum que algumas dificuldades permaneçam, pois é um distúrbio na organização da arquitetura cerebral para o processamento de informações linguísticas. Contudo, trabalhamos para que elas sejam minimizadas, melhorando as condições para a aprendizagem da linguagem e, assim, a criança pode atingir um aprendizado satisfatório”, explica a Dra. Noemi.
A professora reforça que caso o indivíduo não tenha um acompanhamento adequado, poderá apresentar problemas em toda a trajetória escolar, uma vez que a linguagem perpassa todas as disciplinas. O DEL também pode afetar o aprendizado da leitura e escrita, além de interferir na interação social. “Em alguns casos, pode-se identificar adolescentes com depressão, sofrendo bullying ou com distúrbios de comportamento”, destaca. 

Texto Adaptado, extraído do site:http://www.santacasasp.org.br/portal/site/pub/6536/disturbio-especifico-de-linguagem--del--merece-atencao-de-pais-e-profissionais--que-atuam-na-primeira-infancia

quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Memória e aprendizagem:

É certo que ninguém nasce sabendo, e que algumas ações, realizamos por instinto. Como a ação da sucção, ou melhor dizer “ mamar no peito”. Vale lembrar, que neste período  ocorre o desenvolvimento infantil  denominado sensório motor , fase oral, onde o bebe é impulsionado a colocar tudo na boca. É como se descobrisse o mundo pela boca e explorasse as sensações dessa maneira!

Com o passar do tempo aprendemos a associar as atividades do dia a dia a algum fato ocorrido estruturando desta forma uma rotina, por exemplo, associamos imagem  a uma palavra, e assim começamos a estimular e trabalhar a nossa memória. É como, se a memória equivalesse  a uma pasta arquivo, onde o cérebro armazenasse somente as informações necessárias, ou melhor dizer, as mais importantes ou melhores estimuladas (trabalhadas).

Mas o nosso cérebro é tão inteligente, que ele segrega a memória em níveis:  Memória ultra rápida, memória curto prazo ou operacional, memória  de longo prazo.

A memória ultra rápida, sua retenção não dura mais de alguns segundos.

A memória curto prazo, pode durar alguns segundos ou horas, se faz presente para dar continuidade as suas ações. Descartando parte das informações que não foram bem trabalhadas, ou consideradas desnecessárias naquele momento para o seu armazenamento. De certa forma, podemos dizer que se realizamos algo sem prestar atenção, parte desta atividade poderá ser descartada, não ocorrendo o armazenamento, muitas vezes necessário para a aprendizagem.



A memória de longo prazo, é responsável pelo armazenamento das informações principais, como se o nosso cérebro selecionasse as informações principais. O processo de armazenar novas informações na memória de longa duração é chamado de consolidação.

A memória para datas (ou fatos históricos e outros eventos) é mais fácil de se formar, mas ela é facilmente esquecida, enquanto que a memória para aprendizagem de habilidades tende a requerer repetição e prática.

Vivemos em uma sociedade globalizada, onde o excesso de atividades e informações podem afetar a nossa memória. Por isso, uma alimentação equilibrada associada a atividades física supervisionada, e prática de exercícios diário para estimular a memória (ginástica cerebral), trazem resultados.

Quando o indivíduo passa a apresentar  perda de memória, este fato pode estar associado a determinadas doenças neurológicas, a distúrbios psicológicos, a problemas metabólicos e também a certas intoxicações. 

Contrariamente ao esquecimento comum ocorrido normalmente no dia-a-dia de nossas vidas, existem algumas doenças e injúrias no cérebro que causam séria perda de memória e também interferem com a capacidade de aprender. 


Portanto, se a sua memória começar a “falhar” e isto prejudicar a sua rotina diária procure um profissional da área da saúde para realizar uma avaliação. 

quinta-feira, 16 de julho de 2015

Não é TDAH! É excesso de estímulos no ambiente.

Muitas vezes a criança recebe antecipadamente o "rótulo" de hiperativa! Principalmente, se a pessoa que levantou esta hipótese não tiver muito conhecimento e informações sobre o assunto, poderá chegar a essa suspeita precocemente, simplesmente pelo fato da criança não parar quieta ou ter dificuldades em manter a atenção. Mas na verdade chegar ao diagnóstico de TDAH, não é tarefa simples e muito menos fácil.

Pra começar, não existe um exame clínico que possa oferecer este resultado. É necessário, profissionais qualificados e capacitados para fechar o diagnóstico. Geralmente, composto pela equipe multidisciplinar: psicopedagogo, fonoaudiólogo, neuropediatra e psicólogo.

Importante lembrar, se a criança convive em um ambiente onde recebe muito estímulo, há brigas constantemente, tem noite de sono mal dormida, passa no momento por problemas emocionais, fica exposta há barulhos sonoros com volume mais alto que o recomendado, e fica muito tempo exposta a equipamentos eletrônicos como: vídeos games, celulares, tablets e conectadas a jogos que estimulam violência, certamente, esta criança pode apresentar um comportamento mais agitado e ter dificuldades em manter a atenção, decorrente de todos estes fatores que ela recebe diariamente. 

Portanto, o diagnóstico correto faz toda a diferença e é extremamente importante fechá-lo o quanto antes. Podendo, os pais buscarem ajuda junto a profissionais qualificados para obter as orientações e iniciar o acompanhamento, que em muitos casos se faz necessário. 

Quando medicamentoso, somente o médico tem autonomia para receitar e deverá acompanhar o paciente, agendando consultas regularmente.

As ações terapêuticas geram resultados positivos e melhoram muito o desenvolvimento da criança, agindo no seu comportamento e desempenho cognitivo.

Como já comentei anteriormente, os jogos auxiliam muito nesse processo, se você ainda não leu a matéria (Clique aqui).

Por Karla Carvalho





segunda-feira, 13 de julho de 2015

Jovens tatuam o símbolo ponto e vírgula no corpo em defesa da luta pela vida

Muitos jovens que passam ou já passaram por algum transtorno mental, estão tatuando o corpo com o símbolo ponto e vírgula (;). 

A tatuagem da pontuação representa agora a luta pela saúde mental e a importância da prevenção do suicídio.

O projeto surgiu nas mídias sociais, em 2013, com objetivo de "encorajar, amar e inspirar". É um movimento dedicado à apresentação de esperança e amor para aqueles que lutam contra a depressão, suicídio, dependência e autolesão.

Quando alguém escolhe lutar pela vida, é como se respirasse fundo, e buscasse forças para continuar! O simbolismo ponto e vírgula demonstra essa força, é porque poderia ter escolhido acabar com a frase, mas não quis. De acordo, como os criadores do projeto, "o autor é você e a frase a sua vida."

Inicialmente, esta tatuagem seria desenhada apenas para a campanha, mas estes jovens decidiram aderi-lá para a sua vida. E assim se espalhou! Atualmente muitas pessoas estão fazendo a tatuagem como um lembrete de sua luta, sobrevivência e vitória!

Achei genial e você?

Deixe seu comentário.


Foto: reprodução

Por Karla Carvalho


Obs: Texto adaptado retirado da internet, fonte jornal o globo!

terça-feira, 7 de julho de 2015

Invista nos post-its: os papeizinhos têm um poder de influência incrível

Existem muitas táticas desagradáveis ​​usadas para manipulação, mas há uma ferramenta surpreendentemente convincente que pode estar na sua mesa agora mesmo: o post it.
Em um estudo recente, o psicólogo Randy Garner, da Universidade de Houston, descobriu o poder de influência do post it. Garner percebeu que quando ele pedia ajuda a seus colegas por e-mail, eles eram muito mais propensos a realizar de fato a tarefa se ele reforçasse o pedido com um post it escrito a mão.
Em um experimento, Garner enviou inquéritos a três grupos separados de 50 professores (150 professores no total). Três grupos receberam três pedidos diferentes:
Grupo 1: recebeu uma pesquisa com um post it anexado pedindo o retorno do inquérito concluído.
Grupo 2: recebeu uma pesquisa com a mesma mensagem manuscrita na carta de apresentação em vez de um post it.
Grupo 3: recebeu uma pesquisa com uma carta de apresentação, mas nenhuma mensagem escrita à mão.
O que aconteceu?
Grupo 1: 76% dos professores devolveram o questionário.
Grupo 2: 48% dos professores devolveram o questionário.
Grupo 3: 36% dos professores devolveram o questionário.
Dua razões podem explicar o ocorrido. Em primeiro lugar o post it é chamativo, pois não é configurado da mesma forma que o resto dos papéis, o que o torna mais difícil de ser ignorado. Mas o verdadeiro poder do post it é que a mensagem é escrita a mão. Isso torna o pedido muito mais pessoal e faz a pessoa que o recebeu se sentir mais importante, logo realizar a tarefa imposta.
Extraído: http://revistagalileu.globo.com/Life-Hacks/noticia/2015/05/invista-nos-post-its-os-papeizinhos-tem-um-poder-de-influencia-incrivel.html
                                                                  Foto: reprodução

quarta-feira, 1 de julho de 2015

PROMOÇÃO 1 ANO DO CANAL: KARLA CARVALHO!

Olá pessoal, 

Está acontecendo uma super promoção pelo canal do you tube!!

Para participar e concorrer a 1 tablet, você deverá estar atento ao REGULAMENTO, portanto assista o vídeo abaixo primeiro e depois preencha o formulário, e não esqueça: 

1. INSCREVA-SE NO CANAL 

2. CURTA OS VÍDEOS DO CANAL 

3. FAÇA COMENTÁRIOS PRODUTIVOS 

4. E RESPONDA A PERGUNTA DESTE FORMULÁRIO 

 OBS: ESTA PROMOÇÃO É ABERTO AO PÚBLICO, INDEPENDENTE DA SUA FORMAÇÃO OU IDADE. CASO SEJA MENOR, PEÇA SEU RESPONSÁVEL PARA PARTICIPAR. PODE PARTICIPAR QUANTAS VEZES QUISER, DESDE QUE SIGA O REGULAMENTO, OU SEJA, CRIE OUTRAS CONTAS NO GOOGLE E INSCREVA-SE NO CANAL, PREENCHA ESTE FORMULÁRIO ABAIXO, CURTA E COMENTA OS VÍDEOS DO CANAL!!! 

DATA DO SORTEIO: 08/09 

SITE PARA REALIZAR O SORTEIO: RONDON








 

domingo, 28 de junho de 2015

5 dicas que contribuem para o sucesso escolar do seu filho

O desejo de todos os pais, é que seu filho consiga obter nas avaliações escolares a tão sonhada nota dez ou a mais próxima possível deste resultado, não é mesmo?
Mesmo porque, o mundo muda, evolui, mas o sistema educacional persiste em avaliar o aluno pela tão famosa:  PROVA  BIMESTRAL, na forma escrita e quantitativa.
Se você precisa ajudar o seu filho a melhorar o desempenho escolar, segue algumas sugestões.

Cinco dicas que contribuem para o sucesso escolar do seu filho:
  

1   1. Elabore um quadro de rotina, com o objetivo de organizar as atividades diária. A organização é uma das chaves principais para alcançar o sucesso. Se você não tem noção de como organizar este quadro, (Clique aqui)  e será direcionado para o link do blog,lá tem um modelo pronto para imprimir e adequar de acordo com as atividades diárias do seu filho.

2  .   Esteja atento ao horário e a qualidade do sono, é importante habituar a criança a dormir todos os dias no  mesmo horário. Nos finais de semana, poderá fugir a  regra, se houver festas ou alguma atividade programada. Sendo importante, retornar a  rotina logo no dia seguinte, para que a criança não desabitue e você tenha que recomeçar.



3
   3. A alimentação deve ser equilibrada e saudável! Uma boa alimentação e no horário adequado é o recomendável para contribuir no processo de aprendizagem, peça ajuda ao pediatra do seu filho e monte um cardápio  saudável e equilibrado. Habitue-o desde pequeno, resultados positivos surgem o quanto antes for inserido o novo hábito.
4
    4.  A atividade física supervisionada é importante e saudável em todas as idades, pesquisas comprovam que as crianças quando praticam esportes, costumam ser mais atentas e disciplinadas. Este comportamento, irá influenciar positivamente na vida escolar do seu filho.

5 5. O local de estudo extraescolar é um dos pontos principais! Deve ser bem iluminado, arejado e longe de ruídos. Habitue seu filho a  seguir diariamente o mesmo horário para  realizar as atividades escolares. Ensine-o, a importância de sentar diariamente para estudar, mesmo se não houver tarefas para casa, ou avaliação no dia seguinte. Quando o aluno estuda diariamente o conteúdo abordado em sala de aula, fica mais fácil a compreensão das informações adquiridas. Faça pesquisa com ele na internet sobre o conteúdo, pesquise  sites que ofereçam jogos on line, uma maneira lúdica e divertida de aprender.


Por Karla Carvalho

domingo, 21 de junho de 2015

Relato de atendimento psicopedagógico: Torre de Hanói para intervenção psicopedagógica!

Olá pessoal,

Hoje venho compartilhar com vocês, uma atividade que realizei durante a intervenção psicopedagógica. Neste atendimento, utilizei o jogo torre de Hanói, com o objetivo de trabalhar: a atenção, concentração, estratégia, e o desafio. Existe, aprendentes que resistem e na primeira vez não gostam muito do jogo, por acharem difícil e pra alguns cansativo.  O  aprendente abaixo gostou e aceitou o desafio, começamos com 2 pinos e aumentei gradativamente, até chegar a 6 pinos. Fiz um vídeo breve apenas para demonstrar como funciona, o próximo vou gravar desde o começo.

Pra quem ainda não conhece, A torre de Hanói constitui num jogo estratégico capaz de contribuir no desenvolvimento da memória, do planejamento e solução de problemas através de técnicas estratégicas. O jogo se apresenta em uma base que possui três pinos na posição vertical. No primeiro pino temos uma sequência de discos com ordem crescente de diâmetro, de cima para baixo. O objetivo é passar todos os discos para o último pino com a ajuda do pino central, de modo que no momento da transferência o pino de maior diâmetro nunca fique sobre o de menor diâmetro. O jogo mais simples é constituído de três pinos, mas a quantidade pode variar, deixando o jogo mais difícil à medida que os discos aumentam. 

video


PASSO A PASSO:




sexta-feira, 19 de junho de 2015

1 Ciclo de palestras gratuitas no canal do you tube Karla Carvalho.

Olá pessoal,

E aí, estão curtindo a semana, cheia de convidados especiais?

Espero que sim, e pra quem ainda não sabe, o canal está promovendo uma semana cheia de aprendizado, trocas e informações.

Basta se inscrever no canal e acompanhar de perto!

Veja nossos convidados:

1o. dia:


2o. dia:


3o. dia



4o. dia



segunda-feira, 15 de junho de 2015

Promoção 1o Ciclo de palestras gratuitas no canal Karla Carvalho

Regulamento:

Estamos com uma super promoção, para todos os inscritos no canal do You tube (Karla Carvalho), respondendo a pergunta correta e preenchendo o formulário, você estará participando do concurso. Mas atenção! Só levará o prêmio se o participante estiver inscrito no canal e participando das palestras, através dos comentários, compartilhando as palestras e clicando em like (curtir). 

Prêmios:

 1o Prêmio: 1 Bolsa em tecido personalizada + 3 livros de histórias infantis + 1 jogo. 
 2o Prêmio: 1 Bolsa de 100% para utilizar em um dos nossos cursos on line. 
 3o Prêmio: 1 Bolsa de 50% para utilizar em um dos nossos cursos on line.



 


sexta-feira, 12 de junho de 2015

Como ajudar uma criança com dificuldades na escrita,utilizando o alfabeto móvel!

Olá pessoal,

Hoje venho compartilhar com vocês, uma atividade que realizei durante o atendimento psicopedagógico.  A criança em questão, tem dificuldades com a leitura e escrita, e também apresenta momentos de distração.
Resolvi utilizar o recurso lúdico, objetivo da psicopedagogia, para ajudá-lo a superar suas dificuldades.

Objetivo:

Realizar o trabalho através do lúdico, utilizando recursos que ajudem na construção da leitura e escrita. Trabalhando a atenção e concentração, dentro do contexto. Antes de iniciar a atividade, solicitar que a criança esteja atenta e concentrada, durante a atividade.

Instrumento utilizado:

  • Alfabeto móvel, folha de ofício, lápis, borracha e apontador, dicionário impresso ou computador.


Proposta:

  • Realizar uma lista, com pelo menos 5 atividades que a criança mais gosta de fazer. 


Aplicação:

  • Solicitar que realize uma lista  escrita a mão utilizando  folha de ofício ou almaço . 
  • Depois, retira-se a lista, e pede que a criança escreva utilizando o alfabeto móvel, os itens que tinha escrito na lista. 
  • Dessa forma, irá trabalhar a atenção e concentração, fazendo que  lembre os itens escritos na lista.
  • A quantidade de itens, pode ser aumentada de acordo com a idade e do grau de dificuldade que queira ser trabalhado.


Registro:

Durante a aplicação da prova, foi observado que a criança teve um pouco de dificuldades para lembrar os itens escritos, após alguns minutos, ela conseguiu lembrar e escrever, utilizando o alfabeto móvel.
Foi observado que a mesma, escreveu inicialmente algumas palavras com fonemas trocados, letra invertida, e omissão de letras. Após, solicitar que observasse o material escrito a mesma identificou o erro . Quanto a troca de fonemas, foi sugerido que realizasse uma pesquisa no computador, utilizando um site de busca, para verificar se a escrita estava realmente errada, utilizou-se o dicionário on-line. Após ter realizado a consulta, o mesmo verificou onde estava o erro, e substituiu o fonema.



sexta-feira, 5 de junho de 2015

Provas Operatórias de Jean Piaget - Material - Aplicação.


Prova – Conservação de conjuntos:

Material - 10 Círculos vermelhos, 10 círculos azuis. ( 1,5 cm)==> a moeda de R$1,00 tem esta medida, utilize como molde,riscando no papel.
O objetivo desta prova é avaliar a percepção da criança frente aos objetos de diferentes cores posicionadas em linhas paralelas. Deste modo poderemos observar a noção de quantidade na visão da criança. 
Critérios de aplicação - Para tornar a prova atrativa para a criança é importante utilizar uma linguagem que seja compreensível aos seus padrões, por exemplo, estórias infantis, brincadeiras, etc. Após esta introdução são colocados os círculos em seqüência de cores: 
 
Tem a mesma coisa?
 
Onde tem mais?
Avaliação: 
Não conservativo - 4 a 5 anos 
Nesta fase quando afastamos os círculos a criança tem a percepção mais apurada de tamanho do que quantidade, logo a fileira vermelha possui mais círculos do que a fileira azul. 
Intermediário 
As respostas não têm justificativas completas, mudando conforme as aplicações de cada prova. 
Conservativo - a partir de 5 anos 
A criança já possui alguma noção de quantidade, e até justifica o óbvio.

Prova – Conservação da superfície 
Material - 02 pranchas verdes retangulares de 20x25 cm, 16 quadrados vermelhos de 4x4 cm, 2 vaquinhas. (Utilize EVA, CARTOLINA OU PAPEL CARTÃO)
O objetivo desta prova é avaliar a percepção da criança frente à quantidade de ração colocada em dois pastos diferentes. 
Critérios de aplicação - São montados dois pastos com uma vaquinha em cada, sendo que no primeiro a disposição da ração, em termos de quantidade, é diferente do segundo. Podem ser aplicados alguns termos lúdicos para melhorar a capacidade de entendimento da criança. 
Em qual dos pastos a vaquinha comeu mais? 

Avaliação: 
Não conservativo - 4 a 5 anos 
Nesta fase quando afastamos os círculos a criança tem a percepção mais apurada de tamanho do que quantidade, logo a fileira vermelha possui mais círculos do que a fileira azul. 
Intermediário 
As respostas não têm justificativas completas, mudando conforme as aplicações de cada prova. 
Conservativo - a partir de 5 anos 
A criança já possui alguma noção de quantidade, e até justifica o óbvio. 
  


Prova – Conservação de quantidade de líquidos (Na ausência do copo de vidro, utilize o de plástico mais resistente)
Material – Copinhos de vidros 
O objetivo é avaliar a percepção da criança sobre a conservação de quantidade de líquidos usando recipientes diferentes, sempre a estimulando a manter o mesmo raciocínio em todas as provas. 
Critérios de aplicação - Iniciamos a prova com dois recipientes do mesmo tamanho com cores de líquidos diferentes A1 e A2. Depois transferimos o liquido A2 para o recipiente B, em seguida para o recipiente C, e para os quatros recipientes com dimensões iguais D1, D2, D3 E D4. Sempre perguntando a criança se possui a mesma quantidade quando mudamos de recipiente. 
Avaliação: 
Não Conservativo - 5 a 6 anos 
Quando mudamos de recipiente a criança tende a responder que a quantidade é diferente. 
Intermediário 
As respostas não têm justificativas completas, mudando conforme as aplicações de cada prova. 
Conservativo – a partir de 7 anos 
Nesta fase a justificativa da criança é mais convicta, entendendo que a quantidade de líquidos não muda apesar da troca de recipientes. 

Prova – Conservação de quantidade de matéria 
Material – 2 massa de modelar com cores diferentes E DO MESMO COMPRIMENTO. 
O objetivo é avaliar a maneira com que a criança distingue a quantidade de matéria em formas distintas. 
Critérios de aplicação – Para entrarmos no universo da criança, utilizamos a massinha e montamos em duas bolas com cores diferentes, fazendo-a entender que possuem o mesmo tamanho. Em seguida montamos uma bola em diversas figuras do dia a dia e perguntamos a criança onde tem mais ou qual é o maior. Exemplos: Chocolates, salsichas, pizzas, etc... 
Avaliação: 
Não conservativo – 5 a 6 anos 
A criança nega que a quantidade de massa continue igual, pois as formas são diferentes, não relacionando as situações. 
Intermediário 
As respostas não têm justificativas completas, mudando conforme as aplicações de cada prova. 
Conservativo – a partir de 7 anos 
Nesta etapa a criança possui uma percepção maior, tendo respostas mais concretas quanto à quantidade de matéria de cada figura. 

Prova – Conservação de Peso 
Material – 1 balança com 2 pratos 
O objetivo é avaliar qual entendimento da criança quando o assunto é peso. 
Critério de aplicação – Utilizamos uma balança com dois pratos e figuras em massinha com cores diferentes, mudando sempre as formas para avaliar a compreensão de diferenciação de peso. Pedindo para que a criança tente fazer com que as figuras tenham o mesmo peso. 
Avaliação: 
Não Conservativa – 6 a 7 anos 
Nesta fase, a criança define que cada figura tem pesos diferentes, a julgar pelo seu tamanho. 
Intermediário 
As respostas não têm justificativas completas, mudando conforme as aplicações de cada prova. 
Conservativa – a partir dos 8 anos 
Nesta fase a criança já é capaz de desenvolver raciocínios diferentes para uma mesma resposta. 

 
Prova – Conservação de Volumes 
Material – Copinhos de vidros 
O objetivo é avaliar a capacidade da criança em se deparar com dois recipientes diferentes e tentar colocá-los com a mesma quantidade de líquidos. 
Critérios de aplicação – Pedimos à criança que observasse a quantidade de água no recipiente A e logo em seguida tentasse colocar o mesmo volume no recipiente B. 
Avaliação: 
Não Conservativo – 5 a 6 anos 
Tendem a entender que colocar a água no recipiente B na mesma altura do recipiente A terá o mesmo volume. 
Intermediário 
As respostas não têm justificativas completas, mudando conforme as aplicações de cada prova. 
Conservativo – a partir de 7 anos 
Tendem a acertar, observando que o recipiente A por ser mais largo terá que acrescentar mais água no recipiente B; uma vez que a criança já diferencia aspectos e é capz de "refazer" a ação. 
   

. Prova - Conservação de comprimento (Utilize corrente de metal, barbante ou cadarço)
Material - uma correntinha de 10 cm e outra de 15 cm. 
O objetivo é perceber a noção de comprimento que a criança possui. 
Critério de aplicação - Colocamos duas correntinhas de tamanhos diferentes, paralelas, sendo que A > que B. Apartir de uma história lúdica, pergunta-se a criança: "Qual estradinha andaríamos mais em A ou em B?. Na segunda figura utiliza o mesmo tamanho das correntinhas do exemplo anterior, só que desta vez,a disposição entre A e B são iguais. Faz-se uma nova pergunta: " E agora onde a gente anda mais?"Conforme ilustração. 
Avaliação: 
Não Conservativo – 6 a 7 anos 
A criança tende a não observar os comprimentos e justifica que as disposições são idênticas. 
Intermediário 
As respostas não têm justificativas completas, mudando conforme as aplicações de cada prova. 
Conservativo – a partir de 8 anos 
Tende a responder que A é > que B, se colocarmos ele novamente em linha reta. 


. Prova - Mudança de critérios - MATERIAL EVA, CARTOLINA OU PAPEL CARTÃO - NA AUSÊNCIA DESSAS CORES, SUBSTITUA POR OUTRAS. MEDIDAS: CÍRCULOS E QUADRADOS GRANDES = 4CM DIÂMETRO; CÍRCULOS E QUADRADOS PEQUENOS = 1,5 CM. UTILIZE UM COMPASSO PARA FAZER O MOLDE DO CÍRCULO.
Material - 1 caixa de papelão de 12x12x5cm de altura; 6 círculos pequenos azuis; 6 círculos grandes e vermelhos; 6 quadrados pequenos vermelhos; 6 quadrados pequenos azuis; 6 quadrados grandes vermelhos; 6 quadrados grandes azuis. 
O objetivo é avaliar a separação de objetos por cores e formas. 
Critério de aplicação - Apresenta para a criança as formas com cores diferentes. 
Primeiro pede para ela separar da maneira que ela desejar, depois pergunta, qual critério ela usou para separar? 
Avaliação: 
Não Conservativo – 4 a 5 anos 
As crianças mudam de critério muito rápido. Elas justificam pela cor ou pela forma. 
Intermediário 
As respostas não têm justificativas completas, mudando conforme as aplicações de cada prova. 
Conservativo – a partir de 8 anos 
Ela separa as formas, justificando que é uma nova figura.Exemplos: Porque com essas formas monto uma casa e com essas um carro. 

. Prova – Inclusão de classes - MATERIAL: EVA,CARTOLINA OU BISCUIT. 
Material – 10 margaridas, 3 rosas 
O objetivo é avaliar a capacidade de entender que tanto margaridas quanto rosas pertencem a mesma classe de flores. 
Critérios de aplicação – Mostrar as margaridas e as rosas e perguntar: Se fizermos um buquê de flores, existem mais flores ou mais margaridas? Podem-se mudar as perguntas para induzir a criança ao erro. 
Avaliação: 
Não Conservativo – 5 a 6 anos 
A criança não entende que tanto as rosas quanto as margaridas são flores, então ela tende a responder que tem mais margaridas do que as rosas. 
Intermediário 
As respostas não têm justificativas completas, mudando conforme as aplicações de cada prova. 
Conservativo – a partir de 7 anos 
Todas as respostas são corretas, mas elas se espantam com a 1a pergunta: "Nesse ramos tem mais margaridas ou mais flores?". 



. Prova - Seriação de palitos - MATERIAL: PALITOS DE MADEIRA OU DE CHURRASCO, CORTE AS PONTAS, LIXE-AS PARA NÃO ARRANHAR A CRIANÇA.
Material - uma série de 11 palitos graduados. 
O objetivo é observar se a criança tem noção de altura e tamanho. 
Critério de aplicação – Estimula-se a criança com uma história, pedindo, que ela faça uma escada com os palitos. Avaliar como ela escolhe cada bastão e a ordem na qual ela arranja. Se a criança acerta, entrega os palitos em desordem e avisa que vai montar a escada e pede para que ela entregue em seqüência para você. Avaliar os critérios que ela usa para escolher a ordem. 
Avaliação: 
Não Conservativo – 3 a 4 anos 
Não entende a ordem dos palitos e monta por ordem horizontal ou vertical e não se atenta com bases. 
Intermediário 
As respostas não têm justificativas completas, mudando conforme as aplicações de cada prova. 
Conservativo – a partir de 6 anos 
A criança entende e começa a separar só os menores ou maiores primeiro e depois os coloca em ordem verticalmente ou dispondo-o sobre uma linha de base. 




Prova de intersecção de classes

1. Descrição do material
3 classes de ficha:
5 círculos amarelos
5 círculos azuis
5 quadrados azuis
1 prancha de cartão, onde estão desenhados dois círculos, um preto e um verde, que se entrecruzam, delimitando três partes, uma das quais é comum aos 2 círculos.

2. Execução
O avaliador coloca as fichas dentro dos círculos que se cortam, as fichas amarelas e os quadrados azuis nas partes laterais e as fichas redondas azuis na parte comum.
Pede-se à criança que nomeia as fichas e suas características e pergunta-se:
1. Por que você acha que colocamos estas fichas redondas azuis no meio?
A seguir, o avaliador faz as perguntas abaixo:
2. Existem aqui mais fichas amarelas ou mais fichas azuis, ou existem número igual?
3. Existem aqui mais fichas quadradas ou mais fichas redondas, ou existe número igual?
4. Você acha que tem mais, menos ou mesmo tanto de fichas redondas ou fichas azuis? Como você sabe? Pode me mostrar? Pergunta de inclusão; (as quadradas estão incluídas nas azuis; portanto, as azuis estão em maior quantidade que as quadradas). O avaliador deve anotar as respostas da criança na ficha.
5. Você acha que tem mais, menos ou o mesmo tanto de fichas redondas ou azuis? Como você sabe? Pode me mostrar? Pergunta de intersecção; as fichas da intersecção são incluídas tanto nas azuis quanto nas redondas; portanto, tem a mesma quantidade.

Perguntas suplementares
Se a criança não acerta as principais perguntas, o avaliador formula as perguntas suplementares que recaem sobre os conteúdos dos círculos e de sua intersecção: “O que há no círculo negro? Mostra-me. E no círculo verde?


Avaliação
Resposta de nível 1 – intuitivo global. A criança é capaz de constatar com acerto as perguntas que recaem sobre as classes não relacionadas (2 e 3), mas ainda não pode compreender as perguntas referentes à inclusão e a intersecção. Tampouco tem êxito nas perguntas suplementares porque não leva em conta o conteúdo da intersecção.
Exemplo: O que há no círculo verde? R: redondas azuis. O que há no círculo preto? R: quadradas azuis.


Resposta de nível 2 – intuitivo articulado. A partir deste nível observam-se êxitos nas perguntas suplementares (a criança se dá conta de que dentro de um círculo estão todas as fichas redondas e dentro do outro círculo estão todas as fichas azuis). Frente às perguntas 4 e 5, ou seja, de inclusão e de intersecção, a criança tem dúvida e pode responder corretamente ou não a alguma das duas perguntas.


Respostas de nível 3 – operatório concreto. A criança deste nível de pensamento tem acerto preciso desde o primeiro momento, a todas as perguntas: classes não selecionadas (2 e 3), de inclusão (4) e de intersecção (5).




Prova de quantificação da inclusão de classes

A) Descrição do material
1. ramo com: 10 margaridas e 3 rosas vermelhas

B) Execução
O avaliador faz com que a criança nomeie as flores e assegura-se de que conhece o termo genérico – flores: “As margaridas são flores?” “As rosas são flores?” “Você conhece outras flores? Quais?”

O avaliador era formulando as seguintes perguntas e anotando as respostas da criança.
1. Neste ramo há mais margaridas ou mais flores? Depois da resposta da criança pergunta-se: “Como você sabe? Se a criança responde “rosas” (ou de rosas), pede-se à ela que repita a pergunta que foi formulada, em caso de erro, o avaliador repete a pergunta.
2. Existem duas crianças que querem fazer ramos. Uma faz um ramo com margaridas e me dá o ramo; a outra faz um ramo com flores. Qual o ramo que é maior?
3. Se eu te dou as margaridas, o que sobra no meu ramo?
4. Se eu te dou as flores, o que sobra no meu ramo?
5. Eu vou fazer um ramo com todas as margaridas e você vai fazer um ramo com todas as flores. Quem terá o ramo maior? Como você sabe?

C) Avaliação
Resposta de nível 1 – ausência da quantificação da inclusão, 5/6 anos. A criança se mostra incapaz de comparar o número e elementos de uma sub-classe com o de uma classe mais geral em que está incluída, procede sistematicamente à comparação das duas sub-classes e responde, então, que há mais margaridas do que flores. Quando se faz a pergunta: “mais margaridas do que o quê?”, geralmente responde: “Mais margaridas do que rosas. Neste nível as perguntas que recaem sobre a subtração das sub-classes dão lugar, às vezes, a fracassos. (perguntas 3 e 4)


Resposta de nível 2 – condutas intermediárias: se observam poucas condutas intermediárias. Notam-se por parte da criança na pergunta: há mais margaridas ou mais flores? A criança, às vezes, responde: “é o mesmo”, justificando esta resposta com o argumento: “as margaridas também são flores!” Neste nível o avaliador contesta bem as perguntas 3 e 4.


Resposta de nível 3 – solução da inclusão quantificativa, a partir de 7/8 anos. Todas as perguntas recebem repostas corretas, ainda que, às vezes, se observem dúvidas é estranheza no primeiro enunciado da pergunta 1.
  
Bibliografia:
SAMPAIO, Simaia. Manual Prático do Diagnóstico Psicopedagógico Clínico. Rio de Janeiro, Editora WAK, 2009.
VISCA, Jorge. El diagnostico operatorio em la practica psicopedagogica. Buenos Aires, Ag.Serv,G,. 19