quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Matrícula aberta para Educação especial 2015

Olá pessoal,

Navegando pela internet vi que a matrícula para educação especial já começou e vai até 31 de Outubro. Quem não tiver computador em casa e/ou internet, poderá comparecer em um dos pólos para realizar a matrícula. Abaixo um texto que extraí do site da Folha Dirigida, onde tem boas informações.

A Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro realiza, a partir desta terça-feira, dia 21, a matrícula de alunos para Educação Especial no ano letivo de 2015. A inscrição deverá ser feita pela internet na página da matrícula digital do município. Os alunos com deficiência que já estudam nas escolas da prefeitura terão a matrícula renovada automaticamente.
O responsável que deseja matricular seu filho ou realizar a transferência de escolas precisa preencher um cadastro no site até o dia 31 de outubro. Para quem não tem acesso à internet, a secretaria disponibiliza polos de acesso para a realização da inscrição. Os polos de atendimento funcionarão das 8h às 16h em diversas escolas. Os endereços podem ser consultados na FOLHA DIRIGIDA Online.
No ato do preenchimento do cadastro, o responsável deverá selecionar até cinco escolas para a matrícula do estudante. É importante ter em mãos o endereço completo - incluindo CEP - e os documentos do aluno e do responsável legal. Na inscrição será informado ainda, o endereço no qual o aluno precisará comparecer para a avaliação com a área especializada em Educação Especial da Prefeitura.Nessa avaliação, será realizado o encaminhamento escolar para a unidade mais adequada.
Segundo informativo divulgado à imprensa pela Secretaria Municipal de Educação, caso o aluno possua algum laudo médico, é importante apresentar esse documento durante a avaliação. Ainda segundo o informativo da Secretaria, os pais podem optar pelo ingresso do aluno em classes comuns, em classes de escolas especiais, como também pela opção do atendimento itinerante domiciliar. Os pais definirão a forma de atendimento das crianças após uma reunião com especialistas do Instituto Municipal Helena Antipoff (IHA). Nos próximos dias, a Secretaria de Educação deve divulgar as datas para pré-matrícula nas demais turmas.

Para realizar a matrícula CLIQUE AQUI.

Fonte:http://www.folhadirigida.com.br/fd/Satellite/educacao/noticiario/Rio-abre-prazo-de-matricula-para-a-rede-municipal-2000089823471-1400002102372


segunda-feira, 6 de outubro de 2014

A ludicidade e a psicopedagogia

O que é ludicidade?

Ludicidade é uma forma  de desenvolver a criatividade e os conhecimentos, através de jogos, música e dança. Com o intuito de educar e ensinar, se divertindo e interagindo com os outros.

O primeiro objetivo de trabalhar com o jogo é o de ser lúdico (ensinar e aprender se divertindo).

A ludicidade é uma necessidade na vida do ser humano em todas as idades; e não deve ser vista apenas como diversão ou momentos de prazer, mas momentos de desenvolver a criatividade, a socialização com o próximo, o raciocínio, a coordenação motora, os domínios cognitivos, afetivos e psicomotores.

A palavra ludicidade tem sua origem na palavra latina "ludus" que quer dizer "jogo". Se achasse confinada a sua origem, o termo lúdico estaria se referindo apenas ao jogo, ao brincar, ao movimento espontâneo, mas passou a ser reconhecido como traço essencialmente psicofisiológico, ou seja, uma necessidade básica da personalidade do corpo e da mente no comportamento humano, as implicações das necessidades lúdicas extrapolaram as demarcações do brincar espontâneo de modo que a definição deixou de ser o simples sinônimo de jogo. O lúdico faz parte das atividades essenciais da dinâmica humana, trabalhando com a cultura corporal, movimento e expressão (ALMEIDA, 2006).

O jogo e a psicopedagogia:

O jogo surge como um auxílio psicopedagógico, desenvolvendo o relacionamento em grupo e também a autonomia. 
Cada jogo tem seus objetivos e características próprias e cabe ao educador observar qual jogo deverá aplicar naquele grupo para obter um melhor resultado, de acordo com as dificuldades apresentadas naquele momento educativo. 
O jogo auxilia na diminuição da ansiedade, quando o seu propósito é ajudar a criança a perceber a importância do “tempo” para a realização de uma determinada tarefa ou quando o educador mostra não só a importância do resultado, mas também do processo pelo qual se passa para se obter o resultado desejado. 
O aprimoramento da coordenação motora fina nos jogos ajuda o educando nas atividades de alfabetização e desenvolve habilidades importantes para o processo de ensino-aprendizagem. 
Quando se estimula o educando através de tarefas que utilizam estratégias, planejamento e exigem antecipação para resolvê-las, o educador está, consequentemente estimulando o seu raciocínio - lógico, aspecto importante para uma aprendizagem significativa. 
Segundo Vygotsky (2007), o brinquedo tem grande influência no desenvolvimento da criança. Através dos brinquedos, o infante cria situações de imaginação, dando espaço para as suas fantasias. Dessa forma, o brinquedo pode ter vários significados: um cabo de vassoura, por exemplo, no mundo da imaginação, pode se tornar um cavalinho - de - pau para a criança. 
A criança, ao inventar um brinquedo usando sua própria criatividade, está conhecendo suas potencialidades, soltando sua imaginação. Para uma criança, o brinquedo terá maior valor quanto mais se aproximar da realidade, ou seja, quanto mais atraente, sofisticado e perto do seu dia a dia, mais valor terá como instrumento de “brincar”. 
O brinquedo, portanto, pode determinar vários sentimentos na criança. Assim, um mesmo brinquedo pode ser apenas uma boneca em um momento lúdico de divertimento, como também pode se tornar uma representação de sentimento e emoções. Um exemplo dessa atitude é uma criança que agride uma boneca com raiva dizendo que é sua irmã. Esse 
seria o momento para manifestar suas angústias e alegrias, já que o ciúme é normal na idade de seis a sete anos. 
Segundo Almeida (2003), os jogos de expressão e interpretação propiciam momentos de aprendizagem, além de enriquecer a linguagem oral e escrita do educando, ampliando seu vocabulário pela socialização e auxiliando seu desenvolvimento cognitivo. 
Os brinquedos tradicionais são bem educativos quando orientados pelo profissional, pois os jogos de bolinha de gude, jogo da vara, jogo da cabra cega, jogo do lencinho, jogo do anel entre outros ajudam na integração social e afetiva dos educandos. 



Fonte:http://www.facsaoroque.br/novo/publicacoes/pdf/v4-n1-2013/Deyse.pdf
http://www.efdeportes.com/efd119/a-ludicidade-no-desenvolvimento-e-aprendizado-da-crianca-na-escola.htm