quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

A importância das reuniões de pais e professores

Muitos pais e professores até tremem quando a data da reunião de pais é agendada. O professor fica nervoso, pois nem sempre suas pontuações são bem entendidas pelos pais, muitas vezes são vistas como “perseguições”, “falta de preparo”  para lidar com os alunos ou reclamações sem fundamento.

            Pelo lado dos pais, além de “perda de tempo”, num mundo tão corrido, as reuniões são, muitas vezes, vistas com descrédito, ou porque não querem escutar mais uma vez as dificuldades dos filhos, que vem acompanhado de mais um pedido de avaliação profissional,  ou não se interessam pelo que ocorre na escola ou ainda “sabem tudo” o que a professora vai falar, afinal, meu filho é bom aluno -  então, não  se faz necessária sua presença.

            A rejeição é tamanha, que já se cogita em fazer um projeto de lei obrigando os pais a participarem das reuniões escolares. A que ponto chegamos! Sabemos que o chefe não gosta que saiamos do serviço, que tudo é distante, o trânsito é maluco e mais um problema para resolver... não, obrigado!
            Já que se sabe bem o lado “chato” destas reuniões, o que ela pode trazer de bom? Vamos lá!



·         Estamos no início do ano letivo, nem provas tivemos. Se seu filho está com alguma dificuldade , não é melhor saber agora do que deixar para o fim do ano, com o estresse das notas baixas, medo de reprovação e bullying afetando seu filho e sua família o ano inteiro?

·         É ótimo conhecer o professor de seu filho. Ele é um aliado importante  na vida da criança. Em alguns casos, ele passa mais tempo com a criança do que os próprios pais, e pode ajudá-los caso apareça qualquer problema.

·         Como a escola pensa a educação? É da mesma maneira que você, ou, ainda que diferente, é algo que te envolve? Por algumas vezes, crianças vão mal na escola devido à construção pedagógica da instituição que pouco se alinha com a da família.

·         Conhecer as necessidades da escola. Banheiros quebrados, salas sujas, mesas quebradas... É assim que você quer a escola de seu filho? Claro que não! Indo até lá você sabe como está a conservação da escola, e, de quebra, pode ajudar. Que tal juntar um grupo de pais e filhos  e pintar as paredes, limpar o jardim... Isso reforça os laços de amizade entre pais e filhos, além de demonstrar (na prática) para as crianças a importância de deixar tudo limpo e conservado – afinal, isto é cobrado na sua casa também, não é?

·         Seu novo melhor amigo pode estar por lá. Como assim? Que tal encontrar numa reunião das crianças um novo amigo (ou amiga) para viajar,  jogar bola, ir ao clube ou às compras ou ainda desabafar e ter ajuda quando preciso? E ele pode ser o pai ou mãe do amigo do seu filho. Não é sensacional? Antes de começar o compromisso da reunião, se predisponha a conversar com outros pais e mães. Você pode ter a chance de conhecer uma ótima pessoa e ainda saber o que pensa e como age a família dos amigos de seu filho (e creia  -  isso é muito importante!).

Você viu quanta coisa boa pode estar á sua disposição em uma reunião escolar? Antes de pensar que a escola quer prejudicar seu filho, pense o quanto ela pode te ajudar. Vale a pena separar um tempinho para participar dela.


Boa reunião!


CURTA A PÁGINA DA NOSSA COLABORADORA E




 ACOMPANHE SEU TRABALHO: Clique aqui

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Adaptação na escola

O início das aulas muitas vezes amedronta Papais e mamães de primeira viagem. É a primeira vez que seus bebês serão entregues aos cuidados de uma pessoa que não é da família ou não é a própria mãe.
O momento não é tão fácil nem para as mães nem para as crianças, mas será mais suave se a mãe tiver muita clareza e certeza de que este é o momento certo para que sua criança comece a ver o mundo pelos olhos da escola. Quanto mais a mães estiver tranqüila com sua decisão, mais a criança sentirá-se segura neste dia.






Seguem aqui algumas dicas:
1. Enquanto vão conhecendo as escolas os pais devem incentivar a criança a freqüentar a instituição, mostrando a alegria de conviver com outros amigos, pintar, desenhar, brincar... Tudo isto é muito importante. È bom que a criança possa conviver com outras crianças que já estão acostumadas ao contexto escolar, folhear caderninhos de atividades, conhecer músicas que o amiguinho já canta na escolinha por exemplo.
2. Peça indicação a amigos de instituições de ensino de confiança. Visite a escola, retire todas as suas dúvidas sobre tudo, tudo... Metodologia de ensino, rotina, lições de casa, preparo dos professores...
3.Principalmente se a criança for pequenina, veja se há salas e berçaristas que estejam preparadas às necessidades da idade. Locais de dormir, chão acolchoado onde não se anda de sapatos, material para estimulação, nutricionistas, cuidados com tomadas, cantoneiras nos armários...
4. Na primeira semana de aula, tente ter a sua agenda mais flexível, caso a criança precise que você vá buscá-la.
5. A professora é autoridade em sala de aula. Se tiver dúvida, converse com ela. Não a desautorize na frente da criança. Se você puder ficar na escola ou na sala de aula, não interfira no que aconteça, a não ser que a professora permita. Reforce a importância da criança confiar em outro adulto e pedir ajuda quando necessário à professora.





Mas sempre é fundamental lembrar. O equilíbrio e o exemplo dos pais é a fortaleza da criança. Se a mãe chora ao entregar o filho na escola, fala mal de professores e da instituição, não há como os pequeninos sentirem-se confiantes. Você é o espelho dele.
Se seguir as dicas, jájá o desconforto passará e você começará a mostra a importância da escolaridade aos pequeninos, e verá a escola como sua parceira.


Boa volta às aulas!

CURTA A PÁGINA DA NOSSA COLABORADORA E




 ACOMPANHE SEU TRABALHO: Clique aqui