segunda-feira, 8 de outubro de 2012

PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL


• O QUE É O PROCESSAMENTO AUDITIVO?

É o processo de decodificação das ondas sonoras desde a orelha externa até o córtex cerebral, ou seja, a capacidade de analisar, associar e interpretar as informações sonoras que nos chegam pelo sentido da audição.


• O QUE É UM DISTÚRBIO DO PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL (DPAC)?

É uma falha no desenvolvimento das habilidades perceptivas auditivas, mesmo com audição normal, é totalmente diferente de perda auditiva. Em geral encontra-se associado a dificuldades de aprendizagem.


• A CRIANÇA PODE APRESENTAR DPAC SE DEMONSTRAR ALGUMAS DESTAS MANIFESTAÇÕES:

- Apresenta dificuldade em manter atenção aos sons;
- Dificuldade na aprendizagem da leitura e escrita;
- Dificuldade em compreender o que lê;
- Necessidade de ser chamado várias vezes ("parece" não escutar);
- Solicita com freqüência a repetição das informações: Ah? O quê?
- Dificuldade em entender expressões com duplo sentido ou piadas ou idéias abstratas;
- Dificuldade ao dar um recado ou contar uma história;
- Problemas de memória para nomes, datas, números e etc.
- Dificuldade em acompanhar uma conversa, aula ou palestra com outras pessoas falando ao mesmo tempo.
- Problemas de fala (troca /L/R/S/E/CH/)
- Dificuldade em localizar a origem dos sons.


• O QUE PODE CAUSAR O DPAC?

- Genética um grande número de casos é hereditário, pais e filhos apresentam características semelhantes.
- Otites freqüentes durante os 3 (três) primeiros anos de vida (Processos alérgicos respiratórios, tais como sinusites, rinites e até mesmo refluxo gastro-faríngeo estão comumente associados).
- Permanência em UTI-Neonatal por mais de 48 horas.
Experiências auditivas insuficientes durante a 1ª infância.


• COMO DIAGNOSTICAR O DPAC?

É necessário que a criança ou adulto marque uma avaliação do PAC . Será feita uma detalhada entrevista em 2 (duas) sessões, testes especiais para avaliar a audição central. Após 15 (quinze) dias úteis será feita nova entrevista para devolução, prognóstico e orientação.


O primeiro passo para o diagnóstico, orienta a especialista, é a avaliação audiológica básica (audiometria tonal, audiometria vocal e imitanciometria) para verificar o quanto a pessoa escuta e se há ou não líquido e inflamação no ouvido. 


Depois, então, faz-se o exame de avaliação do processamento auditivo central (PAC) para detectar se há desordem, qual o tipo e o grau de severidade. O exame é feito dentro de uma cabine acústica com fones de ouvido e dura de 60 a 80 minutos.



Com esse exame, o fonoaudiólogo, especialista em audição, avalia como o cérebro está interpretando as mensagens recebidas, mede a capacidade de conversação do paciente em ambientes ruidosos e mede ainda o nível de alteração e o tipo e local da disfunção no sistema auditivo central.


• TRATAMENTO:

A partir dessas informações muita coisa pode ser feita para ajudar. O tratamento é basicamente o treinamento auditivo com o fonoaudiólogo (especializado em audição e linguagem) para treinar as habilidades auditivas que estão alteradas. Em muitos casos o tratamento é multiprofissional, com apoio de psicólogos, psicopedagogos, neuropediatras e otorrinolaringologistas. 


A duração depende do paciente, mas em geral o tratamento é de médio a longo prazo, podendo variar de seis meses a dois anos dependendo do tipo e grau da severidade. 



Dicas para os pais de crianças com DPAC



- a criança deve ter incentivo para melhorar a auto-estima;



- barulhos e ruídos prejudicam mais ainda a concentração dessas crianças, portanto é importante evitar na hora dos estudos, tanto em casa quanto na escola, espaços com poluição sonora;



- na escola, é preferível que a criança se sente o mais perto possível do professor e se mantenha afastado de portas e janelas para ficar mais protegida dos barulhos.



2 comentários:

  1. Todo cuidado é pouco. E é mais comum do que imaginamos. Por isso temos que ficar atentas a todos os sinais.

    ResponderExcluir