O auto controle nas crianças


Nos dias de hoje, como lidamos com o tempo? E com as frustrações implicadas pela vida?
A cada dia pior, não é mesmo? Qualquer fila de 5 minutos nos tira do sério, uma promoção que não vem antes do tempo por nós estimado já é motivo de insatisfação... E quando um site demora para carregar?
Quase tudo que não se adequar ao tempo, ao motivo e ao que queremos já é razão para nos tirar do sério, nos deixar irritados, bravos frustrados.  E quanto às nossas crianças, o que estamos ensinando a elas?
Estamos mostrando a elas que é comum realmente esbravejar quando as coisas não ocorrem como imaginamos. As fazemos entender que nenhum pequeno desvio de trajetória pode ser tolerado. Que tentar fazer algo de maneira diferente toma tempo, é sinal de fracasso e nos aborrece.
Talvez por isso vemos tantas crianças chamadas de tiranas, querendo tudo para ontem, deixando seus pais sem rumo com tantas exigências e necessidades, sem saber esperar vivendo uma constante dor de não ter o que quer na hora que quer.


Como ajudá-las a entender que, na vida que enfrentará no futuro, nem sempre as coisas serão como em seus doces sonhos? A dor do negar ou frustrar os filhos para os pais pode ser grande também, gerar culpas, medos, mas vamos lá, é para o bem dele. É para que seu filhote sofra menos do que você com as vicissitudes da vida.
Tente seguir algumas dicas:
*Se estão numa fila, aguardando um cinema ou o caixa do supermercado, que tal brincar de dizer palavras que comecem um uma letra, por exemplo? “Vamos ver quem consegue dizer mais palavras com B?” “Quem consegue dizer mais objetos da cor cinza?” Assim o tempo passa rápido e, de quebra, vocês interagem e aprendem muita coisa juntos.
*A criança ficou brava pois não ganhou o vídeo game que queria? Nomeie este sentimento, diga que entende o que ele sente, mas que aquele mês vieram mais gastos e fazer uma dívida naquele momento não foi possível.  Ou diga realmente o motivo de não ter este brinquedo. Procure mostrar para elas outras maneiras divertidas de brincar! (é importante nomear o que a criança sente para que ela entenda seus sentimentos. AH! Nada de desqualificar o que ela sente. Frases como “nunca tive vídeo game e não morri”, por exemplo , não ajudam em nada, além de deixar a criança mais incomodada e demonstrar que o que o outro sente de nada vale.
*Perdeu no futebol? Que tal, novamente, nomear o sentimento, mostrar-se solidário a ele e demonstrar outras formas de jogar diferente, de treinar mais para vencer o adversário?
*Se a criança pede para falar ou ir embora insistentemente quando você está numa festa, peça licença a pessoa com quem você está conversando e veja com a criança se é algo realmente urgente. Se não for, diga a ela que é necessário esperar, e se, achar conveniente dar uma sansão a ela, cumpra o que prometeu. Se disse que ela não irá a uma festa por ter comportado-se mal realmente não a deixe ir, explicando o porquê.
*Ensine a criança a pedir ajuda quando se sente nervosa, mostre a ela o que aconteceu para deixá-la assim e mostre mais maneiras de resolver o problema. Mostre que você se importa com o que ela sente.
*Um abraço! Ah, um abraço, um olhar, não é um santo remédio para nos acalmarmos? Dar um beijinho, abraçar, falar baixinho com a criança pode ajudá-la a acalmar-se.
E como sempre, você é o exemplo. Treinando sua paciência com as crianças, você pode exercitar a sua calma também.



CURTA A PÁGINA DA NOSSA COLABORADORA E






 ACOMPANHE SEU TRABALHO: Clique aqui

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dificuldades de aprendizagem específicas: Dislexia, Disgrafia, Disortografia e Discalculia.

ETAPAS EVOLUTIVAS DO DESENHO INFANTIL SEGUNDO PIAGET

MODELO DE QUESTIONÁRIO PARA INSTITUIÇÃO ESCOLAR